Menu
18 de fevereiro de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Poder Judiciário

TJ mantém condenação de homem que agrediu e ameaçou esposa

Denunciado alertou à mulher: 'já mandei uma pro buraco, pra mandar outra não custa não'

11 Out2019Da redação09h12

Os desembargadores da 3ª Câmara Criminal, por unanimidade, negaram provimento ao recurso interposto contra a sentença que condenou um homem por lesão corporal em contexto de violência doméstica e ameaça na comarca de Dourados.

Consta nos autos que no dia 25 de dezembro de 2018, o apelante desferiu socos no braço de sua esposa e também a ameaçou dizendo: “já mandei uma pro buraco, pra mandar outra não custa não”, referindo-se a sua ex-convivente, crime pelo qual foi condenado anteriormente por homicídio. Em outro momento, no dia 30 de dezembro de 2018, o denunciado tentou tomar a chave da casa da esposa e para isso torceu-lhe o braço e apertou os dedos da vítima.

Por conta do histórico desabonador e das atitudes violentas de seu marido, no dia 1º de janeiro de 2019 a vítima sentiu-se ameaçada e realizou boletim de ocorrência. Quando o agressor descobriu, foi até sua casa e passou a agredi-la com empurrões e socos na região da cabeça.

No recurso, o apelante pugnou por sua absolvição com a alegação que inexistem provas suficientes para a condenação e, alternativamente, pediu a substituição da pena privativa de liberdade pela restritiva de direito.

A relatora do processo, Desa. Dileta Terezinha Souza Thomaz, afirmou que a materialidade das infrações foram devidamente comprovadas. No ocorrido do dia 25 de dezembro, o filho do casal e sua noiva testemunharam e confirmaram a agressão e ameaça. No dia 30 de dezembro, também houve uma testemunha, e no dia 1º de janeiro o acusado foi preso em flagrante, com a confirmação das agressões em depoimento de um policial militar.

Por conta das testemunhas, do exame de corpo de delito e do depoimento firme da vítima, a relatora afastou a absolvição do acusado e, em relação à substituição das penas, afirmou: “Nesse passo, em casos de crimes praticados contra a mulher em âmbito doméstico, torna-se inviável a substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos, haja vista que, não obstante a sanção imposta ao acusado seja inferior a quatro anos, os delitos praticados pelo apelado foram cometidos mediante violência e grave ameaça à pessoa, o que impede a obtenção da benesse, a teor do disposto no artigo 44, inciso I, do Código Penal”.

O processo tramitou em segredo de justiça.

Veja Também

Programa IST/Aids/HV participa da folia em Três Lagoas
Notificados 234 novos casos suspeitos de Dengue em Três Lagoas
Energisa leva tarifa social e negociação de débitos a indígenas de Nioaque
Hipermercado fecha as portas em Dourados
Fumacê percorre quatro bairros nesta terça-feira
Tribunal barra desmatamento no Parque
Resultado da segunda chamada do ProUni está disponível
Energisa abre mais de 10 vagas para Programa de Estágio
Ponte que liga municípios cede durante passagem de máquina agrícola
MS decreta estado de alerta para dengue após 11 mortes confirmadas pela doença