Menu
19 de maio de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Poder Judiciário

TJ mantém condenação a homem que embebedou e estuprou adolescente

Foi mantida a pena de 10 anos de reclusão, 2 anos de detenção e 10 dias-multa, em regime fechado

10 Jan2019Da redação18h58

Por unanimidade, os desembargadores da 3ª Câmara Criminal, em sessão de julgamento no mês de dezembro, negaram o recurso de um homem contra a sentença que o condenou à pena de 10 anos de reclusão, 2 anos de detenção e 10 dias-multa, em regime fechado, pelos crimes de estupro, corrupção passiva e fornecimento de bebida alcoólica a adolescente.

Consta no inquérito policial que no dia 15 de junho de 2013, na aldeia indígena Lagoa Rica, em Douradina, o réu solicitou e recebeu vantagem indevida em razão de sua função. O apelante era motorista pela Secretaria Municipal de Saúde na aldeia indígena e, em dia não útil, fez o transporte da vítima para uma avaliação clínica odontológica na cidade de Dourados. Para realizar o serviço, teria solicitado e recebido o valor de R$ 80,00, dizendo que o carro estaria estragado.

Nos autos do processo, consta que por volta das 16 horas, próximo a uma fazenda, no município de Itaporã, forneceu bebida alcoólica à adolescente após ela ir à consulta. O apelante desviou o caminho, desceu do carro, pegou bebidas no porta-malas e forçou a vítima a beber, ameaçando deixá-la no meio da estrada. Continuando o ato, ela recusou mais bebidas, levou-a a descer do carro, porém ele retornou e insistiu para que entrasse no veículo e continuasse o trajeto. Dentro do veículo, o réu insistiu para que ela bebesse.

No mesmo local, prevalecendo da sua força física, tirou as vestes da menina e consumou violência e ameaça para prática de estupro contra a vítima, conforme consta no laudo de corpo de delito.

Ao chegar em casa, o genitor da vítima notou as vestes sujas da adolescente, gerando uma certa desconfiança. Posteriormente, ao ser indagada confessou ter sido estuprada. Diante disso, foi à Delegacia e registrou boletim de ocorrência.

Consta nos autos a negação do réu pelo delito, porém a materialidade do crime foi comprovada pelo boletim de ocorrência, auto de exibição e apreensão, termo de representação, exame de corpo de delito, relatório psicológico, bem como pelos depoimentos colhidos no processo.

Em seu voto, a decisão do relator do processo, Des. Luiz Claudio Bonassini da Silva, foi de manter a sentença pelas infrações aos artigos 317 e 213, § 1º, ambos do Código Penal, e 243 do ECA.

Veja Também

Agendamento online para castrar felinos começa nesta segunda
Famílias são notificadas para deixar área pública
Justiça tenta acordo sobre Rio da Prata
Meta para 2020 é construir 500 mil casas populares, diz Onyx
'Cidade do Natal' ganhará novo visual
Agepan busca solução para melhorar transporte em Ladário
Hospital de Ponta Porã realizou 60 cirurgias ortopédicas
Presidiários recebem curso de Primeiros Socorros da Agepen e Cruz Vermelha
Distribuição de remédios no País será normalizada, diz ministério
Prefeitura realiza projeto de valorização da cultura indígena