Campo Grande •16 de Dezembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner SEGOV - Governo Presente 3 DETRAN/DESAFINADOS

Da redação | Sexta, 28 de Julho de 2017 - 13h32Tenda dos Saberes Indígenas dá visibilidade à cultura no Festival de InvernoTrinta e três índios, em sua maioria mulheres artesãs participam do estande

(Foto: Ricardo Gomes/Governo de MS)

O Festival de Inverno de Bonito (FIB) dentro de sua pluralidade e diversidade cultural também dá visibilidade à cultura indígena. Pela terceira vez estão representadas no FIB as etnias Atkun, Kinikinau, Ofaiê, Guarani Ñnahdeva, Guarani Kaiowa, Terena, Guato na Tenda dos Saberes Indígenas instalada na praça da Liberdade.

Trinta e três índios, em sua maioria mulheres artesãs participam do estande. Nele os visitantes podem encontrar diversos artigos como colares, pulseiras, cerâmica, bolsas, jarros, até pasta de notebook. A matéria prima é diversa, sendo utilizada argila, penas, bambu, folha d’água, uma espécie de palma, dentre outras.

Ao ser entrevistada, dona Zeferina Ferreira, de 84 anos, da aldeia Brilhante, da etnia Kinikinau não titubeou ao responder que morava na “mãe terra”, quando questionada a respeito da localidade de sua moradia. Aprendeu a trabalhar com artesanato com sua mãe aos dez anos de idade. Ela trabalha com cerâmica.  “Passo o dia inteiro fazendo meus artesanatos, me sinto feliz”, diz convicta e com ar sereno.

Genoveva Flores, 54 anos, é filha de dona Zeferina e disse que sua etnia trouxe cerca de 300 artesanatos para serem vendidos durante o FIB. “A gente está feliz com a oportunidade de poder vender nosso artesanato e pagar as contas”. Conta que no ano passado vendeu R$ 500,00, esse ano quer superar esse valor, pois são poucas as oportunidades que tem de participar de eventos como esse.

Outra artesã indígena, Catarina Ramos, de 68 anos, disse ter começado a trabalhar com artesanato em 1964. Já trabalhou de cozinheira numa das vezes que se mudou para Campo Grande, mas gosta mesmo é de artesanato. Já há algum tempo manipula águas-pés, uma espécie de palmeira. Ela faz todo o processo, mas diz que o mais difícil é colher e secar a planta para depois transformá-la em diversos artigos, com um capricho sem igual. Chinelos, tapetes, bolsas, carteiras, pasta para notebook, até roupa ela diz confeccionar. “Há algum tempo conseguia viver só do artesanato, hoje com a crise está mais difícil” É a segunda vez que ela participa do FIB, “é uma oportunidade de renda extra”, diz Ramos.

Outra artesã indígena, Catarina Ramos, de 68 anos, disse ter começado a trabalhar com artesanato em 1964. Já trabalhou de cozinheira numa das vezes que se mudou para Campo Grande, mas gosta mesmo é de artesanato. Já há algum tempo manipula águas-pés, uma espécie de palmeira. Ela faz todo o processo, mas diz que o mais difícil é colher e secar a planta para depois transformá-la em diversos artigos, com um capricho sem igual. Chinelos, tapetes, bolsas, carteiras, pasta para notebook, até roupa ela diz confeccionar. “Há algum tempo conseguia viver só do artesanato, hoje com a crise está mais difícil” É a segunda vez que ela participa do FIB, “é uma oportunidade de renda extra”, diz Ramos.

Para Sérgio Martins, de Barretos (SP), foi uma experiência única, já que segundo ele nunca tinha visto um índio de perto, “nunca tinha tido essa oportunidade de vê-los de perto, nem do artesanato que fazem”.

Já o casal de bonitenses Jociane Brito (vendedora) e Wilson Trelha (vigilante) está contente com a presença do FIB na cidade e diz ser importante a participação dos índios, “é bom que se preserve a memória deles”, disse Jociane. o marido enfatiza esse encontro de culturas que o FIB proporciona, “a gente já está acostumado com eles por aqui, mas quem vem de fora não tem essa experiência, e tem uma ideia errada dos índios. Sim, eles trabalham, caçam e fazem seu artesanato”, enfatiza.

Para a subsecretária de Políticas Indígenas a participação indígena  fortalece a cultura de seu povo, “quando elas vem ao Festival, elas são protagonistas de sua própria história”, enfatiza Dias, que ainda completa, “aqui elas têm a oportunidade de vender seu artesanato sem atravessadores”

A Tenda dos Saberes Indígenas ficará aberta aos visitantes até domingo (30.07) das 9h às 22h.

Veja Também
Caminhão usado na prática de crime ambiental é apreendido
Sicredi Centro-Sul MS entrega doação ao Lar do Idoso de  Dourados
CPI do Táxi finaliza oitivas apurando parentescos
Senac forma 19 militares do projeto Soldado Cidadão
PMA e Bombeiros resgatam animais de galerias
Voluntários organizam Natal de Rua na Capital
Prefeitura divulga lista de inscritos em seleção de professores
Projeto que transforma pneus em parques beneficia crianças
Governo lança mais licitações para pavimentar vias urbanas
Em Corumbá, matrícula para novos alunos começa no dia 4 de janeiro
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
Rec banner - Patio central
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento