Campo Grande •17 de Dezembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner 1 Governo do estado - Campanha Mudança educação

Valdelice Bonifácio | Segunda, 2 de Janeiro de 2017 - 18h14TCE manda prefeitura retomar contrato com SolurbDecisão da corte, assinada pelo Conselheiro Ronaldo Chadid, tem validade imediata

(Foto: Arquivo Diário Digital)

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-MS) determinou a suspensão imediata do Decreto Municipal número 13.027, de 27 de dezembro de 2016, do ex-prefeito Alcides Bernal (PP), que anulou o contrato de prestação de serviços da empresa CG Solurb responsável pela limpeza e coleta do lixo em Campo Grande. A decisão da corte é assinada pelo Conselheiro Ronaldo Chadid e atende a um pedido da própria empresa. Vale mencionar que trata-se de uma liminar e que o mérito da denúncia ainda não foi analisado.

O novo prefeito da Capital Marquinhos Trad (PSD) que tomou posse ontem, dia 1 de janeiro, deve acatar a decisão assim que for notificado. Pela decisão ele deve, “comprovar as providências determinadas no prazo cinco dias, a contar da ciência desta decisão, sob pena de multa correspondente ao valor de 1.800 (mil e oitocentas) UFERMS.” Convertido, o valor da multa é de R$ 43,9 mil.

A decisão do TCE é liminar e válida para “restabelecer os termos da avença pública celebrada, e dar continuidade a todos os serviços por ela previstos, até a prolação da decisão de mérito a ser proferida pelo órgão colegiado desta Corte de Contas.”

A ruptura com a Solurb foi anunciada pelo Alcides Bernal em 28 de dezembro, três dias antes de terminar seu mandato. Pelo decreto, todos serviços como limpeza de rua e capina, por exemplo, estavam interrompidos. Apenas continuou mantida a coleta de lixo, mas pelo prazo de 60 dias, até que a prefeitura conseguisse uma alternativa para o serviço.

Na ocasião da ruptura, Bernal e sua equipe alegaram irregularidades na licitação na qual a Solurb se sagrou vencedora em 2012 (situação que teria sido investigada pela Polícia Federal) e ainda superfaturamento no valor de serviços prestados a município.

Porém, o TCE-MS discordou da forma como agiu a prefeitura. “Havendo fundadas suspeitas e indícios de ilegalidades, tais quais superfaturamento ou descumprimento dos requisitos do edital,caberia a Administração Municipal de Campo Grande aprofundar todas as investigações necessárias a identificá-las e comprová-las, mas sempre respeitando o devido processo legal e as relações de boa-fé e confiança que necessariamente devem permear as relações jurídicas entre a o Município e seus contratados”, alegou o conselheiro.

“Do contrário, estará apenas a inviabilizar pagamentos por serviços já prestados, dando causa a enriquecimento ilícito da Administração, desvio de poder e, principalmente, desprestígio ao interesse público.” A reportagem do Diário Digital entrou em contato com a prefeitura de Campo Grande e aguarda retorno.

Veja Também
Projeto quer dar mais transparência à fila de espera do SUS
Totem de Natal despenca em cima de carro no Centro
Feira Central da Capital coleta histórias de frequentadores
Fim da neutralidade nos EUA pode ter impactos na internet no Brasil
Projeto telecolaborativo que aproxima Brasil e Canadá é desenvolvido na Uems
Novo voo internacional é opção até 40% mais barata para MS
Contribuintes têm mais dois dias para pagar dívidas
Confira escala médica da rede pública para este domingo
Acumulada, Mega-Sena pode pagar mais de R$ 43 milhões na terça-feira
Previsão de pancadas de chuva na tarde deste domingo
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
DothNews
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento