Campo Grande •19 de Agosto de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner SEGOV - Mesmo na crise Obras

Da redação | Sexta, 11 de Agosto de 2017 - 17h00Servidores protestam contra privatização da MSGÁSPara trabalhadores, estudo técnico é primeiro passo para que estatal seja vendida

(Foto: Divulgação)

Trabalhadores da Companhia de Gás do Estado de Mato Grosso do Sul (MSGÁS) promoveram um ato contra a possível privatização da empresa estatal nesta sexta-feira, 11 de agosto. Cerca de 60 servidores se concentraram na entrada da sede da concessionária, em Campo Grande, no mesmo horário em que estava marcada a abertura das propostas da licitação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para contratação de serviços relativos à estruturação e implementação da desestatização da companhia.

O protesto foi para mostrar o descontentamento dos servidores com a possibilidade de privatização da empresa pública, já que, na opinião deles, o estudo técnico pode ser o primeiro passo para que a estatal seja entregue à iniciativa privada. "Não há razão para a privatização da MSGÁS. Não seria interessante para o governo estadual, principalmente num momento de crise econômica, abrir mão de um ativo estratégico para o desenvolvimento do Estado e de uma empresa lucrativa, que gera recursos para os cofres do governo de Mato Grosso do Sul", afirmou Thiago Andreotti e Silva, membro da comissão que representa os servidores da MSGÁS.

Em entrevista concedida no dia 4 de agosto, o presidente do BNDES Paulo Rabello de Castro informou que a desestatização da Companhia de Gás de Mato Grosso do Sul (MSGás) não é uma questão já definida e a contratação de empresa para “implementação de serviços relativos à estruturação e implementação da desestatização” servirá apenas para embasar estudos que vão definir o futuro da estatal.

Na avaliação dos funcionários, privatizando MSGÁS, o governo do Estado abriria mão de uma empresa que atua em um setor estratégico e lucrativo. A MSGÁS apresentou nos últimos dois anos um aumento do lucro líquido de 154%. Conforme relatório anual, o lucro líquido da companhia foi de R$ 12,9 milhões em 2016 – foi o 3º melhor resultado desde sua criação em 1998.

Para a presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria e Comércio de Energia no Estado do Mato Grosso do Sul (Sinergia-MS), Elizete Almeida, com a privatização, todos perdem: sociedade, empregados e a própria empresa. "Quando a Enersul foi privatizada, um mês depois, dezenas de funcionários foram demitidos através do PDV (programa de demissão voluntária), além de aumentar a tarifa de energia elétrica. E isso é o que vai acontecer também com a companhia de gás. Não há benefícios para a sociedade com a privatização", ressaltou Elizete.

Este foi o primeiro ato realizado pelos servidores da companhia, outros protestos e até mesmo paralisações podem ocorrer no decorrer do ano. A empresa é composta por 67 servidores egressos de três concursos públicos.

Veja Também
Fronteira prepara a Black Friday
Justiça Federal em MS passa a ter processo eletrônico
Justiça suspende novamente aumento de impostos sobre combustíveis
Mega-sena acumula e prêmio chega a R$ 26 milhões
CCZ abre as portas e foca em educar as crianças
Sanesul ampliará produção de água de poço em 100 mil litros por hora
TJ mantém suspenso decreto que regulamenta Uber na Capital
Lava Jato investiga empresas estrangeiras envolvidas em fraudes na Petrobras
Acadêmico de Química é premiado em Simpósio no Paraná
Em Três Lagoas, bairro receberá pavimentação avaliada em R$ 400 mil
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothShop
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento