Menu
18 de fevereiro de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Interior

Senai doa computadores e máquinas de costura a indígenas

Objetivo é a qualificação profissional dos guarani-kaiwá

8 Nov2019Da redação21h51

O presidente da Fiems, Sérgio Longen, entregou, nesta semana, cinco computadores e cinco máquinas de costura à comunidade indígena da etnia Guarani-Kaiowá da aldeia Taquaperi, no município de Coronel Sapucaia (MS). A doação faz parte de uma parceria estabelecida pelo Senai de Mato Grosso do Sul com a Prefeitura de Coronel Sapucaia com foco na qualificação profissional dos guarani-kaiwá e também inclui o deslocamento da unidade móvel de costura industrial à aldeia para capacitar os indígenas.

Segundo Sérgio Longen, é importante conhecer as aldeias indígenas do Estado e contribuir com a qualificação profissional dessas comunidades. “O Sistema Fiems, por meio do Senai, promove uma qualificação exclusivamente voltado para a indústria, mas, à medida em que se avança um pouco mais, é possível avaliar e conseguir enxergar que esse trabalho precisa se tornar mais efetivo, resultando como uma ação social”, afirmou.

Ainda de acordo com o presidente da Fiems, a formação profissional realizada pelo Senai tem como contribuir para a inserção de parte da comunidade indígena da aldeia Taquaperi no mercado de trabalho. “Construir um Brasil para todos é o que faz a diferença hoje e nós como Sistema S podemos contribuir nesse sentido”, pontuou o líder industrial.

O diretor-regional do Senai, Rodolpho Caesar Mangialardo, destaca que a instituição vai dar oportunidade para capacitação da população indígena de Coronel Sapucaia. “Doamos cinco computadores e cinco máquinas de costura overloque, que são máquinas profissionais que vão ser utilizadas para qualificação dos indígenas e também poderão contribuir para movimentar a economia da comunidade porque eles poderão comercializar as peças que serão produzidas com esses equipamentos”, disse.

Para o capitão Osvaldo, líder indígena da aldeia Taquaperi, as doações são muito importantes, pois vão ajudar a desenvolver a comunidade. “As pessoas precisam aprender a mexer no computador e é importante que tenham uma profissão. As mulheres já se interessaram bastante pelo curso de costura e a começar a mexer nessas máquinas, primeiro para fazer roupas para os próprios indígenas e depois para ter uma profissão”, comemorou.

Veja Também

MS tem 38% da população carcerária em postos de trabalho
Correios faz leilão de bens e veículos em Campo Grande
Intenção de consumo das famílias cai em fevereiro
Prefeitura inaugura o 16º parquinho de pneus
Prefeitura amplia número de vagas para tratamento de dependentes químicos
MEC divulga hoje o resultado da segunda chamada do ProUni
Calor com possibilidade de chuva
Quatro caminhões são apreendidos pelo DOF em Reserva Indígena de Dourados
Resgate
Vacinação contra o sarampo e HPV terá continuidade nas UBSs de Três Lagoas