Menu
19 de novembro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Interior

Senai doa computadores e máquinas de costura a indígenas

Objetivo é a qualificação profissional dos guarani-kaiwá

8 Nov2019Da redação21h51

O presidente da Fiems, Sérgio Longen, entregou, nesta semana, cinco computadores e cinco máquinas de costura à comunidade indígena da etnia Guarani-Kaiowá da aldeia Taquaperi, no município de Coronel Sapucaia (MS). A doação faz parte de uma parceria estabelecida pelo Senai de Mato Grosso do Sul com a Prefeitura de Coronel Sapucaia com foco na qualificação profissional dos guarani-kaiwá e também inclui o deslocamento da unidade móvel de costura industrial à aldeia para capacitar os indígenas.

Segundo Sérgio Longen, é importante conhecer as aldeias indígenas do Estado e contribuir com a qualificação profissional dessas comunidades. “O Sistema Fiems, por meio do Senai, promove uma qualificação exclusivamente voltado para a indústria, mas, à medida em que se avança um pouco mais, é possível avaliar e conseguir enxergar que esse trabalho precisa se tornar mais efetivo, resultando como uma ação social”, afirmou.

Ainda de acordo com o presidente da Fiems, a formação profissional realizada pelo Senai tem como contribuir para a inserção de parte da comunidade indígena da aldeia Taquaperi no mercado de trabalho. “Construir um Brasil para todos é o que faz a diferença hoje e nós como Sistema S podemos contribuir nesse sentido”, pontuou o líder industrial.

O diretor-regional do Senai, Rodolpho Caesar Mangialardo, destaca que a instituição vai dar oportunidade para capacitação da população indígena de Coronel Sapucaia. “Doamos cinco computadores e cinco máquinas de costura overloque, que são máquinas profissionais que vão ser utilizadas para qualificação dos indígenas e também poderão contribuir para movimentar a economia da comunidade porque eles poderão comercializar as peças que serão produzidas com esses equipamentos”, disse.

Para o capitão Osvaldo, líder indígena da aldeia Taquaperi, as doações são muito importantes, pois vão ajudar a desenvolver a comunidade. “As pessoas precisam aprender a mexer no computador e é importante que tenham uma profissão. As mulheres já se interessaram bastante pelo curso de costura e a começar a mexer nessas máquinas, primeiro para fazer roupas para os próprios indígenas e depois para ter uma profissão”, comemorou.

Veja Também

Confira escala médica nas UPAs e CRSs nesta terça-feira
Depac Piratininga passa a atender no prédio do Cepol
Vereador tenta
Polícia Militar Ambiental autua assentados por criação de gado em área protegida
Governo declara situação de emergência em Porto Murtinho
Black Friday até em academia
Prefeitura deve multar consórcio Guaicurus
Terça-feira com máxima de 34°C
Rua 14 de Julho recebe acabamento para inauguração
Selo Arte abre horizonte de oportunidades em MS, diz Reinaldo Azambuja