Menu
18 de junho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Melhorias salariais

Sem acordo salarial, bancários mantêm greve em todo País

Categoria reivindica 14,78% de reajuste salarial, porém bancos oferecem 7%

15 Set2016Da redação20h14

Em mesa de negociação na tarde desta quinta-feira (15), os banqueiros insistiram no índice de reajuste salarial de 7% e os bancários não aceitaram. A categoria reivindica 14,78% de reajuste, sendo 5% de aumento real, entre outras demandas de saúde, condições de trabalho, segurança, igualdade de oportunidades e garantia de emprego. Sem acordo, a greve continua.

Os bancários estão completando 10 dias de greve em todo o Brasil nesta quinta-feira (15). Segundo informações, do comando de greve 12.608 agências e 49 centros administrativos tiveram as atividades paralisadas em todo o Brasil. Em Campo Grande e região, já são 136 unidades bancárias paralisadas – uma adesão de 85%.

“É inadmissível que o setor mais lucrativo desse país trate com tanto descaso os seus funcionários, com uma proposta rebaixada de reajuste, e nenhum avanço na questão do emprego, saúde, condições de trabalho, igualdade de oportunidades e segurança. Vamos intensificar o movimento grevista e exigimos respeito dos banqueiros aos trabalhadores, clientes e demais usuários de banco”, afirmou o presidente do Sindicato dos Bancários de Campo Grande-MS e Região e integrante do Comando Nacional, Edvaldo Barros.

(Com informações do Sindicato dos Bancários de Campo Grande e Região)

Veja Também

Sitiante é autuado por manter macaco-prego em cativeiro
Anvisa suspende venda de fraldas Huggies Turma da Mônica
Colisão frontal mata duas pessoas em rodovia
Simted rejeita proposta feita pela prefeitura de Corumbá
Governo do Estado promove 113 PMs a sargento
Campanha do Agasalho do Judiciário é prorrogada até o dia 10 de julho
Castração de gatos no CCZ deverá ser agendada presencialmente
Empresário sugere proibição de fogos de artifício com ruído
Deficientes poderão ser isentos de taxa de inscrição em concursos
Projetos proíbem cursos de graduação a distância na área da saúde