Menu
26 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner Governo do Estado - Gestão por Competência
Campo Grande

Número de moradores em área invadida cresce a cada dia

Famílias que já seriam 550 vivem em situação precária no Isabel Garden

24 Set2016Mariel Coelho, em colaboração ao Diário Digital14h00
Jaqueline Rocha, liderança da comunidade, conta que Emha e a Defensoria Pública estiveram na área (Foto: Roberto Okamura)
  • Barracos que foram erguidos por famílias de várias partes da Capital que não conseguem mais pagar aluguel ou moravam de favor
  • Jaqueline Rocha, liderança da comunidade, conta que Emha e a Defensoria Pública estiveram na área (Foto: Roberto Okamura)
  • (Foto: Roberto Okamura)
  • (Foto: Roberto Okamura)
  • (Foto: Roberto Okamura)
  • (Foto: Roberto Okamura)
  • (Foto: Roberto Okamura)
  • (Foto: Roberto Okamura)
  • (Foto: Roberto Okamura)
  • (Foto: Roberto Okamura)
  • (Foto: Roberto Okamura)
  • (Foto: Roberto Okamura)
  • (Foto: Roberto Okamura)
  • (Foto: Roberto Okamura)
  • (Foto: Roberto Okamura)

Famílias que estão em assentamento improvisado numa área ocupada na Rua Jorge Budib, no Bairro Isabel Garden, em Campo Grande, já somam 550, segundo contagem dos moradores do local. Os barracos que foram erguidos por pessoas vindas de várias partes da Capital. Eles querem casas populares, mas ainda não obtiveram qualquer resposta do Poder Público.

De acordo com a líder do assentamento, Jaqueline Rocha, a Emha e a Defensoria Pública estiveram no local, mas ainda não deram um posicionamento. A ocupação começou no início deste mês. Conforme as famílias, a área é pública.

A diarista Maria de Fátima, de 64 anos, morava no Campo Novo, e se mudou para o assentamento, por que não tem condições de pagar aluguel. “Estava desempregada, agora arrumei uma diária, onde eu ganho R$ 60,00 por dia”. Ela mora com o neto de seis anos e relata ter feito inscrição no cadastro habitação há quatro anos, mas nunca foi contemplada.

A dona de casa Silvana Viana e a família moravam de favor no Jardim Presidente. Eles também estão no assentamento na esperança de ganhar uma casa definitiva para morarem.

No local as famílias vivem em situação precária. Alguns barracos foram construídos às margens do córrego que passa ali perto. Nos dias de chuva, a situação fica ainda pior por causa do barro. Por várias vezes, o vento arrancou as lonas que cobrem as moradias.

O Diário Digital entrou em contato com a prefeitura de Campo Grande e guarda resposta.

Veja Também

Vítima de acidente, engenheira morre em hospital
Prefeitura da Capital afirma ter suprido déficit de medicamentos
23° Encontro de Estudantes de Relações Internacionais será na Capital
Vereadora solicita construção de UBS para bairros da Capital
Usina indenizará vítima de atropelamento em rodovia
Câmeras flagraram atropelamento fatal
Vacinação contra gripe na Praça Ary Coelho
Vereador apresenta projeto a supermercados para reaproveitar alimentos
TJ permite que candidata continue em concurso para escrivã de Polícia
População retira kit gratuito para sinal digital