Menu
12 de dezembro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Inclusão social

Rejeitado por escola, criança autista perde ano letivo

Mãe teve matrícula negada por diretora e sofre com o desafio de readaptá-lo em uma nova escola

25 Nov2015Talitha Moya07h00
(Foto: Victor Chileno)
  • Naína Dibo Soares,  mãe de João Vitor, portador de Autismo, quer que filho seja aceito e não tolerado
  • (Foto: Victor Chileno)
  • (Foto: Victor Chileno)
  • (Foto: Victor Chileno)
  • (Foto: Victor Chileno)
  • (Foto: Victor Chileno)
  • (Foto: Victor Chileno)
  • (Foto: Victor Chileno)

“Eu quero que meu filho seja aceito e não tolerado”. A fala é de Naína Dibo Soares, de 33 anos, mãe de João Victor, de 6 anos, portador de Autismo, e que recentemente foi barrado de continuar estudando em uma escola particular da Capital. Motivada pela família, ela trouxe a história à tona pelo Facebook com o objetivo de garantir o direito da inclusão social de outras crianças com deficiência e dar coragem as mães que sofrem caladas diante da discriminação.

Aos 2 anos de idade, João Victor foi diagnosticado com Transtorno do Espectro Autista (TEA). “Até então, não era possível identificar porque não havia qualquer característica física”, lembra a mãe que, naquela época, pouco conhecia sobre o Autismo. “Ele não falava muito e tinha obsessão por um carrinho de brinquedo”, conta Naína sobre os sinais que indicaram que o filho tinha o transtorno.

A partir daí, começou a luta de Naína pela sociabilização de João Victor, um desafio para quem é mãe de filhos com autismo, já que o que chama mais atenção na criança autista é a dificuldade de interação com outras pessoas. A mãe decidiu matricular João em uma renomada escola particular da Capital onde ela esperava encontrar tudo que o filho precisava para se desenvolver. 

“Todos foram muito acolhedores, professores, alunos e mães. Nunca tive qualquer problema”, diz Naína. Segundo ela, o processo de sociabilização estava indo muito bem e, neste ano, João Victor estava em seu melhor momento. “Foi o ano em que ele mais se desenvolveu socialmente, o melhor ano social para meu filho. Mais do que ele, todos na escola estavam sendo agraciados com a presença dele”, relata.

Mas um episódio no início de setembro deste ano, quando o menino completaria o 1º ano escolar, transformou a esperança de uma mãe em desespero. Ao ser chamada para uma reunião de pais, Naína conta que foi surpreendida pela diretora da escola que informou à mãe que não iria mais aceitar o João Victor na instituição a partir do próximo ano. “Ela simplesmente negou a matrícula para o meu filho. Disse que a Lei é só no papel, se mostrou totalmente adversa à inclusão, foi desumana".

Ao receber aquela notícia, Naína lembra que ficou em estado de choque e perdeu a voz. “Não conseguia falar diante de tantos argumentos vazios. O problema é que ela não queria colocar um tutor para acompanhar o meu filho. Não queria ter gastos e é um direito dele. Eu não vi qualquer tipo de sensibilidade naquela mulher. Não quero que ninguém passe pelo que passei”, afirma.

Naquele momento, ela lembra que, como a maioria das mães de filhos com deficiência, pensou em se calar. Mas motivada por familiares e amigos, ela levou o caso às redes sociais.

Mais do que isso, Naína entrou com a denúncia junto ao Ministério Público do Estado em nome de todas as crianças com deficiência. “Não quero me beneficiar financeiramente com isso. Eu sempre dei o melhor para o meu filho, os melhores médicos e tratamentos. Faço o que posso para incluí-lo na sociedade. Só quero orientar as outras mães a lutarem pelos direitos dos filhos, que todos saibam que essas crianças têm direito a matricular-se em uma escola regular, que têm direito a um tutor, que ela simplesmente tem direitos”, expressa.

Antes de encarar o preconceito da diretora, o único obstáculo enfrentado, segundo Naína, era em relação ao processo de ensino-aprendizagem. Embora o João Victor apresentasse melhoras na sociabilização, havia a preocupação com a alfabetização da criança já que a escola, assim como a maioria, não estava capacitada para receber um aluno com autismo. “Não havia tutor e eu sugeri contratar um profissional com dinheiro do meu próprio bolso. Estava disposta a fazer isso e nem exigir da escola”, diz Naína sobre o fato de a legislação garantir o direito à tutoria as crianças com deficiência matriculadas em escolas de ensino regular. Por dois meses, uma professora vinculada à ABA (Associação Brasileira de Autismo) e custeada pela mãe chegou a acompanhar João Victor na sala de aula. Mas logo a entrada da professora também foi impedida pela diretora que alegou que a profissional não fazia parte do quadro de funcionários e atrapalhava o andamento das aulas.

Atualmente, João Victor está sem ir à escola e já perdeu o primeiro ano letivo. Insegura com a postura discriminatória da diretora, a mãe afirma que não pretende voltar atrás e já faz planos de matriculá-lo na Escola Geraldo Castelo que, mesmo sendo da rede pública, oferece atendimento para alunos com autismo. “Eles abraçaram a causa do meu filho, mas sei que será um grande choque social e estrutural para ele. Sei que vou sofrer muito. Já chorei muito com tudo isso porque só eu sei o quanto será difícil essa nova adaptação. Ele estava se encaixando muito bem ao ambiente escolar que estava, aos amigos”, lamenta Naína que já recebeu o convite de outras escolas para matricular João.

“Tenho recebido muito apoio, até mesmo de mães de outros países que estão expondo situações parecidas com a minha”, relata. “Muitas mães preferem não expor que seus filhos têm autismo por medo deles sofrerem preconceito. Mas eu quero que meu filho seja aceito como ele é. Infelizmente, a ignorância é a grande vilã da inclusão”, acredita Naína que, mesmo diante da repercussão do fato na rede social, não foi procurada pela diretora da antiga escola. A reportagem chegou a entrar duas vezes em contato com a instituição, mas foi informada de que a diretora estaria ocupada e retornaria a ligação, o que não ocorreu até o fechamento da matéria. 

Veja Também

Deve chover em grande parte de MS
Embalagem de margarina terá de apresentar percentual de gordura
Pacientes com doença genética rara terão tratamento específico no SUS
Procon realizará plantão fiscal em terminal rodoviário na capital
INSS cria programa para identificar benefícios irregulares
Escolas terão que ministrar treinamentos para lidar com emergências
Hospital Regional de Ponta Porã reinaugura brinquedoteca
Ambulância com quatro pessoas capota na BR-262
Programa Fortalece Turismo encerra suas atividades amanhã dia 12
Agepen aguarda transferência de Name para Centro de Triagem