Menu
19 de novembro de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner - AL/MS - Campanha Mudanças
Poder Judiciário

Refrigerador com defeito gera indenização ao cliente

Sentença confirmou ainda a medida liminar que determinou a troca do produto

9 Nov2018Da redação16h09

A Sentença proferida pela 5ª Vara Cível de Campo Grande julgou procedente a ação movida por um consumidor contra uma loja de eletrodomésticos e uma fabricante de refrigerador, condenadas ao pagamento de R$ 10.000,00 de indenização por danos morais pelos transtornos causados ao autor, que adquiriu um refrigerador que apresentou defeito e, segunda a assistência técnica, não aceitava reparo. A sentença confirmou ainda a medida liminar que determinou a troca do produto.

Alega o autor que no dia 30 de julho de 2015 adquiriu um refrigerador fabricado pela ré, vendido pela loja requerida pelo valor de R$ 4.999,00, sendo que, por ocasião da entrega do produto, este apresentou defeitos (não atingia a temperatura de congelamento), sendo então encaminhado pela requerida para assistência técnica para conserto.

No entanto, narra que o produto novamente apresentou defeito (passou a escorrer água dentro do refrigerador), sendo novamente encaminhado ao técnico que lavrou um laudo constatando que não era passível de conserto.

Diante disso, procurou a loja que negou a troca, dizendo que dependia de autorização da fabricante, que também permaneceu inerte. Nesse período, afirma o autor que teve que suportar transtornos, pois a família ficou sem refrigerador em casa. Foi concedida liminar quanto à troca do produto.

A loja apresentou defesa alegando que foi disponibilizado o reparo do produto, mas a parte autora o recusou. Sustentou ainda que o Código de Defesa do Consumidor (CDC) não prevê o imediato ressarcimento do valor pago ou a troca do produto. Já a fabricante não apresentou contestação dentro do prazo legal, sendo decretada sua revelia.

Em análise do processo, o juiz Wilson Leite Corrêa frisou em primeiro lugar que a relação entre as partes, regida pelo referido CDC, “prevê a responsabilidade dos fornecedores dos produtos e serviços pelos vícios de quantidade e de qualidade que tornem o produto impróprio ou inadequado ao fim a que se destinam ou lhe diminuam valor, prevendo, alternativamente, em favor do consumidor, desde que o vício não seja sanado em 30 dias, o seguinte: 1) a substituição do produto por outro sem o vício; 2) restituição imediata da quantia paga, devidamente atualizada, sem prejuízos de perdas e danos; 3) abatimento proporcional do preço”.

O magistrado explanou ainda que o refrigerador foi diagnosticado pelo técnico da própria fabricante como possuindo falha no sensor de degelo, sendo supostamente resolvido com a troca do sensor em 15 de setembro de 2015. Porém, no dia 19 de setembro de 2015 o produto ainda apresentava problemas, sendo encaminhado ao técnico novamente que constatou que o produto "não aceita conserto".

Por outro lado, a ré não trouxe prova da recusa do autor de reparo como alegado, destacou o juiz.

Para o juiz, “é inequívoco que o autor e sua família ficaram dias sem um produto essencial, cuja falta interfere sobremaneira no cotidiano e constitui manifesto prejuízo ao consumidor. (…) O produto apresentou defeitos e a parte autora teve que procurar a requerida várias vezes, sem êxito no conserto ou substituição do mesmo, embora a falha do produto tenha sido atestada por empresa que realiza assistência técnica pelo fabricante, sendo que a substituição somente ocorreu na via judicial com a liminar deferida”.

Veja Também

Ninguém acerta a Mega-Sena e prêmio acumula
MP aciona Justiça para que loteamento tenha estrutura adequada
Pessoas que lutam contra o racismo receberão comenda na ALMS
Medida Provisória redistribui arrecadação de loterias no Brasil
Região sul do Estado terá queda de temperatura
Associação Médica critica 'retaliação' cubana ao Mais Médicos
EUA elogiam postura de Bolsonaro na questão do Mais Médicos
Laboratório de Zoologia adquire réplicas de espécies pré-históricas
Simpósio vai reunir 17 renomados profissionais da Saúde
Tribunal decreta luto pela morte de desembargador