Menu
15 de outubro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Nacional

Projeto garante escolha entre parto normal ou cesárea no SUS

Conforme a proposta, às parturientes que optarem pelo parto normal, será garantido o direito à analgesia

11 Ago2019Agência Senado11h16

Grávidas poderão optar pelo parto cesariano a partir da 39ª semana de gestação na rede pública de saúde. É o que determina o projeto de lei (PLS 3.947/2019) que aguarda designação de relator na Comissão de Assuntos Sociais (CAS). Conforme a proposta, às parturientes que optarem pelo parto normal, será garantido o direito à analgesia não farmacológica e farmacológica.

O projeto, do senador Sérgio Petecão (PSD-AC), determina que a grávida seja conscientizada acerca do parto normal e da cesárea, devendo a decisão ser registrada em termo de consentimento. Além disso, se o médico responsável discordar da opção da paciente, deverá registrar as razões em prontuário.

Em sua justificativa, o parlamentar argumenta que, de acordo com estudos, a crescente taxa de cesarianas, nos últimos 30 anos, acompanhou a diminuição nas taxas de mortalidade materna.

“As ocorrências concretas que chegam aos Conselhos de Medicina e aos Tribunais, mostram que, na rede pública, quando se recorre à cesárea, a parturiente já foi submetida a longas horas de sofrimento, buscando o parto normal”, ressalta Sérgio Petecão.

A matéria estabelece também que as maternidades ou instituições, que funcionam com mesma finalidade, deverão possuir placa fixada informando que a mulher pode escolher a modalidade de parto, podendo o médico divergir da escolha e encaminhá-la a outro profissional.

Resolução - Em 2016, o Conselho Federal de Medicina, através da resolução 2.144, passou a prever que o médico pode atender o desejo da paciente e realizar parto cesárea a partir da 39ª semana de gestação. De acordo com a resolução, a gestante tem o direito de optar pela realização de cesariana, desde que tenha recebido todas as informações necessárias.

Entretanto, conforme a justificativa do senador Sérgio Petecão, não há observância dessa medida na rede pública de saúde. “As mulheres são submetidas à verdadeira tortura, uma vez que não querem passar pelas dores e pelos riscos de um parto normal, mas não lhes é dada opção. Ademais, como já dito, surpreende saber que até mesmo analgesia lhes é negada”, ressaltou Petecão.

O projeto do senador é semelhante ao texto apresentado pela deputada estadual Janaína Paschoal (PSL-SP) à Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), mas, diferentemente desse, tem abrangência nacional.

Veja Também

Obra começa e moradores de rua deixam viaduto
Carreta da Justiça Itinerante atende sul do Estado
Pescador salva onça presa em anzol de galho no rio Miranda
Ave silvestre é abandonada e PMA orienta sobre devolução espontânea
Governo Federal modifica regras para deportação de estrangeiros
Acidente Mecânico tem lesões graves após choque elétrico Acidente aconteceu quando vítima subiu no telhado da oficina
UEMS promove ações sustentáveis na  Semana Lixo Zero
Confira escala médica nas UPAs e CRSs nesta segunda-feira
Guarda Municipal recolhe modelos de espingardas que causaram morte de homem
Parceria vai agilizar atendimento às famílias de vítimas de morte natural