Menu
19 de novembro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Interior

Projeto da UEMS vai levar atendimento jurídico para Aldeia Jaguapiru

Ideia é oferecer serviços feitos por acadêmicos e professores para suprir as demandas dos moradores

9 Jul2019Da redação15h57

Lideranças da Aldeia Jaguapiru, localizada em Dourados, se reuniram com o vice-reitor da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Laércio Alves de Carvalho, representantes do Programa “Rede de Saberes” e com os Pró-reitores de Extensão, Cultura e Assuntos Comunitários, Márcia Alvarenga, e de Ensino, João Mianutti, para discutir a elaboração de um Projeto Piloto para prestar Atendimento Jurídico na comunidade indígena. A ideia é oferecer serviços feitos por acadêmicos e professores para suprir as demandas dos moradores da Aldeia Jaguapiru.

“Como líder da comunidade, a gente vê as dificuldades do nosso povo. Eles têm uma dificuldade muito grande para ir atrás de uma ajuda jurídica, as vezes não tem como ir por conta do transporte e muitos não entendem as informações passadas.  Um atendimento dentro da Aldeia facilitaria muito, pois nós vamos estar junto com eles ajudando”, explica o Cacique da Aldeia Jaguapiru, Izael Morales. A reunião foi solicitada pelas lideranças da Aldeia Jaguapiru com apoio dos alunos indígenas da UEMS/Dourados.

A partir desta reunião, será elaborado o projeto piloto com uma proposta de atendimento jurídico na Aldeia explica o vice-reitor, “Nesse momento faremos esse projeto em forma de extensão para que a gente possa entender a demanda. Para que depois a gente possa avaliar a possibilidade de expansão em outras aldeias, em outras comunidades, não só em Dourados, mas também onde tem outros cursos de Direito como em Naviraí e Paranaíba. É um projeto de grande impacto social”.

O projeto piloto será uma ação de extensão construída com a participação do Curso de Direito por meio do Núcleo de Práticas Jurídicas, com apoio do Programa Rede de Saberes e das lideranças da comunidade indígenas.

“ Com apoio de todos os envolvidos vamos desenvolver a proposta desse projeto para saber onde será o local desses atendimentos, que dia da semana e horário são mais adequados. E também, qual é a real demanda da comunidade indígena”, reforça a Pró-reitora Márcia Alvaranga. A próxima reunião está marcada para agosto e a expectativa é que até lá o projeto já tenho um esboço.

Veja Também

Polícia Militar Ambiental autua assentados por criação de gado em área protegida
Governo declara situação de emergência em Porto Murtinho
Black Friday até em academia
Prefeitura deve multar consórcio Guaicurus
Terça-feira com máxima de 34°C
Rua 14 de Julho recebe acabamento para inauguração
Selo Arte abre horizonte de oportunidades em MS, diz Reinaldo Azambuja
Renovação de matrículas em Três Lagoas começa nesta terça-feira
Fim de semana teve duas mortes por afogamento na Capital
Uso do cinto de segurança nos ônibus interestaduais ganha campanha educativa