Campo Grande •24 de Novembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner Governo - Refis

Da Agência Brasil | Sexta, 25 de Agosto de 2017 - 11h35Proibição da publicidade infantil reduz em 13% receita de anunciantesCriança entende a mensagem como 'compre esse produto, porque você vai ser mais feliz'

Empresas que vendem produtos e serviços para crianças registraram queda de 13% na receita a partir da proibição da publicidade infantil, segundo pesquisa divulgada hoje (25) pelo The Economist Intelligence Unit, a pedido do Instituto Alana, organização sem fins lucrativos voltada à garantia da vivência plena da infância.

O estudo mostra que o impacto econômico atingiu o varejo, composto por restaurantes fast food, alimentos vendidos em supermercados, bebidas não-alcoólicas, brinquedos, roupas infantis, jogos, música, vídeo e ingresso. A Associação Brasileira de Agências de Publicidade estima redução de 5% de participação da publicidade infantil no mercado do setor.

Desde 2014, uma resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) proíbe e detalha o que é a publicidade abusiva. O Código de Defesa do Consumidor também proíbe a publicidade que se aproveita da deficiência de julgamento e da experiência da criança.

Efeitos positivos - A economista e consultora do The Economist Intelligence Unit, Romina Bandura, disse que, apesar da perda em receita, a proibição da publicidade infantil no Brasil trouxe resultados positivos para a sociedade, como melhora na saúde das crianças, queda da obesidade, redução do consumismo e do bullying. “São benefícios que superam os custos decorrentes da proibição”, afirmou.

“As crianças ficam perturbando os pais para comprar algo e isso pode levar a brigas, ao materialismo, que está ligado à baixa autoestima. Há discussões sobre bullying de marca, quando uma criança tem determinado produto e a outra não. Isso afeta as crianças”, acrescentou.

Para Romina, a publicidade voltada para a criança usa da exploração da vulnerabilidade emocional e cognitiva. “O público com menos de 12 anos de idade realmente não entende a diferença dos interesses comerciais e da realidade”, ressaltou.

Na opinião da diretora do Instituto Alana, Isabella Henriques, a publicidade de produtos infantis pode existir, desde que seja voltada aos pais. “Nesse aspecto, as perdas com o mercado podem ser menores. A criança entende a mensagem 'compre esse produto, porque você vai ser mais feliz', e realmente entende que ela precisa daquele produto. Se a publicidade falar diretamente com o público infantil, será abusiva”, disse.

Novos meios - Durante o estudo, a consultora Romina observou que muitas empresas ainda desrespeitam a proibição, aproveitando-se de novos meios como a internet. “São impactos que não conseguem ser mensurados. Na internet, temos poucos dados sobre como os novos meios estão impactando as crianças. É difícil de ser monitorado e regulado. O Brasil, por exemplo, está em quarto lugar nos acessos ao youtube.”

Segundo o relatório, mais de 50% das crianças e adolescentes brasileiros acessaram a internet em 2013, e 80% deles a utilizaram em 2014. “Embora o Brasil proíba [a publicidade infantil], a implementação [da determinação] é ainda muito fraca. Ainda vemos linguagem infantil, personagens, brinquedos”, disse a consultora.

Veja Também
Anatel começa a bloquear celulares piratas em maio de 2018
TRF determina que esposa de Cabral volte para a prisão
Argentina investiga suposta explosão próximo a submarino
Dourados receberá R$ 7,3 milhões para Avenida Weimar Torres
Acusado de matar segurança vai a júri nesta sexta
Projeto Emagrece CG realiza ação neste sábado para combater obesidade
Semed abre pré-matrícula para alunos novos de escolas integrais
Baile dos idosos se despede do ano com show do grupo Pantaneiros
Quinta, 23 de Novembro de 2017 - 12h50CCR MSVia dá sequência a obras e serviços na BR-163/MS Em caso de chuva, as obras poderão ser interrompidas
Alunos de 3 escolas do Sesi de MS embarcam para Torneio de Robótica em Goiás
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento