Menu
6 de dezembro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Brasil

Programa de avaliação revela baixo desempenho escolar em matemática

Mesmo com investimento dobrado em educação, índices estão estagnados desde 2009

3 Dez2019Da redação16h52

O Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA) edição 2018, foi divulgado mundialmente nesta terça-feira, 3 de dezembro através do OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), apontou que o Brasil tem baixo desempenho em Leitura, Matemática e Ciências.  Se comparado com outros 78 países que participaram da avaliação, é constado que 68,1% dos estudantes brasileiros, com 15 anos de idade, não possuem nível básico de Matemática, considerado como o mínimo para o exercício pleno da cidadania.  Em Ciências, o número é um pouco menor atingindo 55% e em Leitura, 50%. Os índices estão estagnados desde 2009.

Em comparação com países da América do Sul analisados pelo Pisa, o Brasil é primeirinho, no pior desempenho em matemática, empatado estatisticamente com a Argentina, respectivamente, com 384 e 379 pontos. Uruguai (418), Chile (417), Peru (400) e Colômbia (391) estão na frente.

 O país também fica em último lugar no desempenho em Ciências, juntamente com os vizinhos Argentina e Peru, empatados em 404 pontos. Já os melhores classificados são Chile (444), Uruguai (426) e Colômbia (413). Se tratando de Leitura, o Brasil é o segundo pior do ranking sul-americano, com 413 pontos, ao lado da Colômbia (412). Em último lugar, estão Argentina (402) e Peru (401).

O cenário abrange, por exemplo, situações de estudantes incapazes de compreender textos, resolver cálculos e questões científicas simples e rotineiras. Se comparado à média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Brasil apresenta resultados ainda piores nas três áreas avaliadas, conforme a relação abaixo:

-Leitura: OCDE 487, Brasil 413; faixa do Brasil no ranking: 55º e 59º

-Matemática: OCDE 489, Brasil 384; faixa do Brasil no ranking: 69º e 72º

-Ciências: OCDE 489, Brasil 404; faixa do Brasil no ranking: 64º e 67º

O estudo é realizado a cada três anos e tem como objetivo medir até que ponto os jovens de 15 anos adquiriram conhecimentos e habilidades essenciais para a vida social e econômica. Em 2018, 79 países e 600 mil estudantes participaram do teste, que ocorre desde 2000. Os dados do Brasil foram comparados com:

-Países da América do Sul participantes do Pisa, pela proximidade territorial e cultural;

-Espanha E Portugal, pela proximidade cultural;

-Estados Unidos, por ter um sistema federativo e grande extensão territorial;

-Canadá, pelo tamanho territorial e por ser exemplo em índices de educação;

-Coreia E Finlândia, pois apresentam alto desempenho escolar.

No Brasil, participaram 597 escolas públicas e privadas com 10.961 alunos, escolhidos de forma amostral de um total aproximado de 2 milhões de estudantes. Cerca de 7 mil professores também responderam questionários. A avaliação foi aplicada eletronicamente, em maio do ano passado, pelo Inep.

É valido ressaltar que a pesquisa além dos números de proficiência nas três áreas temáticas apresenta o contexto em que os jovens estão inseridos e qual o impacto disso nos resultados.

Veja Também

Mutirão busca acordos entre consumidores e empresas no Cijus
Energisa poderá ter que emitir fatura separada de iluminação pública
Prevenção ao câncer de pele será foco de Campanha em MS
Gestante poderá remarcar teste de aptidão física em concurso
Consórcio arremata MS-306 por R$ 605 milhões em leilão na Bolsa do SP
Agetran interdita ruas para eventos neste fim de semana
Preço da carne sobe em todas as capitais pesquisadas
Coordenadores têm até amanhã para preencher questionário do Enade
Apostador de São Gonçalo acerta seis dezenas da Mega-Sena
Contribuintes enfrentam fila e chuva