Campo Grande •22 de Setembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
ALMS - Gestão para Pessoas

Larissa Mendes, especial para o Diário Digital | Terça, 27 de Setembro de 2016 - 09h52Profissionais paralisam por reajuste salarialCaso não haja negociação está prevista uma possível greve das categorias

  
trabalhadores ainda irão parar durante o período vespertino e noturno. (Foto: Luciano Muta)
  • trabalhadores ainda irão parar durante o período vespertino e noturno.
  • Presidentes da SINTESAÚDE/MS e SIEMS. (Foto: Luciano Muta)
  • Enfermeira acha um descaso com quem tanto mostra desempenho. (Foto: Luciano Muta)
  • Se não houver negociações, trabalhadores vão parar. (Foto: Luciano Muta)


Funcionários da enfermagem e administrativo da Santa Casa de Campo Grande fazem nesta terça-feira, 27, um dia de protestos devido à falta de negociações para a categoria. Dentro das várias cláusulas, a manifestação de hoje é pelo reajuste salarial retroativo referente ao mês de maio deste ano.  Caso não haja negociações, profissionais irão discutir possível greve em assembleia.

A paralisação de três horas, que ocorrerá em três turnos é para chamar a atenção da diretoria, para voltar às negociações que estão paradas há quase dois meses.  “É um silêncio profundo, uma falta de respeito com quem tanto se da pelo trabalho”, desabafa o presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Área de Enfermagem de Mato Grosso do Sul –Siems, Lázaro Santana. 

Lázaro relata que houve uma proposta do reajuste que é de 11,30% ser 9,83%, a categoria achou uma proposta boa, porém esse acordo seria para o ano que vem, podendo ocorrer alterações, “não podemos aceitar algo que não é uma garantia de certeza”. 

O presidente do Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Saúde de Mato Grosso do Sul – Sintesaúde/ MS, Osmar Gussi, diz que caso não haja uma solução, vão levar o tema greve para as assembleias. 

O faturista, Rodrigo Morais, que está na Santa Casa há três anos, teme ainda pelo o atraso do 13° que ouviu pelos corredores, “dizem que é por causa da reforma que está ocorrendo no prédio”, relata.  Sobre o reajuste, Rodrigo diz que se sente muito prejudicado, “a gente dá a ajuda pra eles e não tem retorno”. 

Outro problema é a falta de pagamento das horas extras desde julho, “é um total descaso, a gente se desempenha muito, faz compromisso com o dinheiro e não recebe”, relata a enfermeira, Ivanice de Sá, que está há dois anos no hospital. 

Atualmente a Santa Casa conta com 1.300 funcionário da enfermagem e  850 trabalhadores da área administrativa.  Haverá mais paralisações no período da tarde e noite com duração de três horas. 

Veja Também
Termina hoje o prazo para atualizar carteira de vacina
Sexta, 22 de Setembro de 2017 - 06h37Capital pode ter 37° de temperatura Aumento de nebulosidade pode elevar a umidade do ar
Cassems cadastra 200 colaboradores como doadores de Medula Óssea
'Paz no trânsito', pede vereador atropelado na Capital
Joesley e Wesley Batista são indiciados pela PF por suspeita de crime financeiro
No dia do Cão Idoso, universidade oferece serviços gratuitos em shopping
Vizinhos apagam fogo em residência na Capital
Vandalizadas, capivaras deixarão pontos turísticos
Ações arrecadam brinquedos para crianças carentes
Sicredi Centro-Sul MS irá sortear 26 viagens para associados
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
Rec banner - Patio central
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento