Campo Grande •24 de Junho de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da Agência Brasil | Segunda, 12 de Setembro de 2016 - 11h45Principal aliado de Cunha, Marun nega movimentação para renúnciaSegundo ele, estratégia não é a mesma adotada pelo Senado, durante a votação do impeachment de Dilma Rousseff

Aliado de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o também peemedebista Carlos Marun (MS) disse hoje (12) que vai insistir na tentativa de votar um projeto de resolução ao invés do parecer aprovado em junho, por 11 votos a 9, pelo Conselho de Ética, para tentar abrandar a pena que pode ser atribuída ao colega na sessão marcada para as 19h, quando a Câmara deve definir o futuro de Cunha. “Vamos tentar uma pena alternativa”, reiterou.

Marun disse que só chegará à Câmara minutos antes da sessão e contou à Agência Brasil que conversou com Cunha no início da manhã e descartou qualquer movimentação ou sinalização de uma possível renúncia. No plenário, o parlamentar quer usar os primeiros minutos para reforçar a tese de que não há provas concretas contra seu colega e tentar convencer outros deputados a flexibilizar as regras da Casa.

Segundo ele, a estratégia não é a mesma adotada pelo Senado, durante a votação do impeachment de Dilma Rousseff, quando a perda do cargo foi apreciada separadamente da perda dos direitos políticos. “A questão do Senado é diferente. Considero até inconstitucional”, afirmou.

Com um projeto de resolução, seria possível apresentar destaques e emendas que podem mudar o teor do relatório de Marcos Rogério (DEM-RO), no qual Cunha é acusado de mentir à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, ao negar ser o titular de contas no exterior. Para Rogério, ficou claro que o peemedebista recebia dinheiro de negócios irregulares envolvendo a estatal brasileira por meio de pelo menos quatro contas na Suíça - Köpek; Triumph SP, Orion SP e Netherton.

O líder do PSOL, Ivan Valente (SP), contrário ao possível fatiamento engrossou o coro de adversários de Cunha. “Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Dilma foi julgada por crime de responsabilidade e o Cunha está sendo julgado aqui por quebra de decoro parlamentar. São duas coisas totalmente diferentes”, afirmou. Ivan Valente ainda destacou que, em casos de cassação, o que é votado é o parecer do relator no Conselho de Ética.

As questões de ordem, como as que podem alterar a forma de votação, devem tomar grande parte da sessão. Depois que todos os questionamentos forem respondidos, Marcos Rogério será o primeiro a falar por 25 minutos, para defender seu relatório. O advogado de Cunha e o próprio peemedebista serão os seguintes, com o mesmo tempo para rebater os argumentos do relator do caso.

Depois desta fase, cada parlamentar que se inscrever terá cinco minutos e os líderes mais 10 minutos para manifestar sua posição. Estes prazos para as manifestações dos deputados ainda estão sendo discutidos por técnicos da Secretaria-Geral da Mesa, reunidos durante quase toda a manhã de hoje.

A última etapa é a votação que será nominal, por painel eletrônico, com voto aberto. Para ser cassado, são necessários 257 votos a favor do parecer.

Veja Também
Audiência debate segurança nos cemitérios públicos da Capital
Projeto de lei permite que bancos funcionem aos sábados
Restrição do uso da internet aumenta a qualidade da rede
Saiba como prevenir e tratar a artrite
Ministro nega retaliação da Noruega e diz que desmatamento voltará a cair
Avião monomotor cai sobre creche na Flórida e mata uma pessoa
Médicos rejeitaram reajustes acima da inflação, diz prefeitura
MPT fará mediação entre trabalhadores e Santa Casa
Profissionais de Educação Física aprovados em concurso são convocados
Deslizamento de terra deixa pelo menos 120 desaparecidos na China
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
DothShop
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento