Campo Grande •25 de Novembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner Governo - Refis

Da redação | Sexta, 6 de Janeiro de 2017 - 08h47Prefeitura negocia pagamento de repasses em atraso para o Hospital de CâncerEm dezembro o hospital entrou com duas ações na Justiça pedindo o bloqueio das contas da Prefeitura

(Foto: Divulgação)

A Prefeitura de Campo Grande iniciou as tratativas para negociar os repasses em atraso destinados aos hospitais que atendem a Rede Municipal de Saúde. Na tarde desta quinta-feira (5), o secretário de Finanças e Planejamento, Pedro Pedrossian Neto, de Saúde, Marcelo Vilela, e o procurador-geral do Município, Alexandre Ávalo, se reuniram com o presidente do Hospital de Câncer Alfredo Abrão, Carlos Alberto Coimbra.

Em dezembro o hospital entrou com duas ações na Justiça pedindo o bloqueio das contas da Prefeitura. O montante reclamado ultrapassa R$ 2,7 milhões, sendo R$ 1,7 milhão de contrapartida da Prefeitura e R$ 1,05 milhão de depósitos do Governo Federal que estavam retidos pela gestão anterior.

“Nós precisamos tomar essa atitude para nos resguardar e evitar que ficássemos sem receber”, justificou o diretor do Hospital do Câncer.  Coimbra explicou que dívida é referente a pagamentos atrasados desde agosto, sendo, aproximadamente, R$ 350 mil por mês, R$ 180 mil de pelo menos 12 cirurgias ortopédicas e  exames laboratoriais realizados a pedido da Secretaria de Saúde para desafogar a fila. Coimbra detalhou que o hospital realiza, em média, 16 mil procedimentos por mês e tem orçamento mensal de R$ 2,1 milhão, sendo que 98% da demanda é pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

O secretário de Finanças, Pedro Pedrossian Neto, ponderou que é preciso achar uma solução para o problema, mas pediu a compreensão do diretor da unidade, haja vista que dispõe hoje de apenas R$ 57 milhões em caixa para pagamento de funcionários e toda demanda da Prefeitura. A mesma observação foi feita pelo secretário de Saúde, Marcelo Vilela, que salientou situação semelhante com a Santa Casa que se soma a dívida da pasta com fornecedores e contratos que ultrapassa R$ 20 milhões.

Ao fim do encontro, foi sugestionado que o pagamento dos atrasados seja feito de forma escalonada, sendo mantido o repasse integral dos meses subsequentes. A proposta deve ser discutida entre os demais gestores da unidade e uma nova reunião deve ser convocada para selar o acordo. Por se tratar de uma questão que corre na Justiça, o Ministério Público Estadual (MPE) deve ser acionado para participar das próximas reuniões.

Veja Também
Debate sobre segurança servirá de base para política estadual
Capital terá observatório para mapear violência contra mulher
Programa ‘Casal Grávido’ realiza mais um curso no próximo sábado
Costelada vai ajudar 125 crianças carentes da Capital
Acusado define caso como uma 'brincadeira infeliz'
Sexta, 24 de Novembro de 2017 - 12h05CCR MSVia informa pontos da BR-163/MS com obras e serviços nas pistas Em caso de chuva, as obras poderão ser interrompidas
Black Friday leva população a loucura
Sexta, 24 de Novembro de 2017 - 11h28Assaltante morre em confronto com a polícia após roubo Ao roubar utilitário, dupla ainda atirou contra muro da casa e blindex da vizinha
Indígenas voltam a bloquear a Perimetral Norte
Senar/MS certifica mais de mil pessoas em Três Lagoas
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
DothNews
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento