Menu
23 de junho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Caçambeiros

Prefeitura monta força-tarefa para solucionar fechamento de aterro

Eles não aceitam a reabertura e pediram providências da Prefeitura

11 Jan2017Da redação08h06

A Prefeitura de Campo Grande montou uma força-tarefa para solucionar o impasse criado com o fechamento do aterro do Noroeste. O secretário de Governo e Relações Institucionais, Antônio Lacerda, recebeu o vereador Chiquinho Telles e uma comissão de moradores para discutir o impasse em torno do fechamento aterro. Eles não aceitam a reabertura e pediram providências da Prefeitura.

Lacerda aproveitou a oportunidade para convidar representantes dos caçambeiros e discutiu o problema, ouvindo os dois lados. “Estamos buscando uma alternativa, apesar do problema não ser de responsabilidade da Prefeitura de Campo Grande. Solicitamos a quantidade de caçambas com entulhos para resolver o que está pendente. A partir de então, caberá aos empresários a contratação de um aterro particular’, explicou Lacerda. A prefeitura decidiu ajudar porque os caçambeiros alegam não ter os R$ 400 mil necessários para depositar o material em aterro particular.

O morador Aroldo José Lima relatou os problemas enfrentados pelos 15 mil moradores da região, que convivem com fumaça, medo de explosão e desvalorização da região, já carentes de investimento em saúde, educação e infraestrutura. Eles deixaram claro que não aceitam o depósito de materiais no local.

A Prefeitura chegou a pensar em pedir autorização para depositar o material recolhido até 31 de dezembro no local, mas diante do pedido dos moradores, busca outra saída. O secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, José Marcos da Fonseca, estuda a possibilidade de fazer o depósito em dois terrenos do Governo do Estado.  Caso não tenha impedimento ambiental, uma equipe da prefeitura pedirá a doação da área para resolver o problema.

Atualmente, só duas áreas têm licença ambiental para receber o material em Campo Grande, mas caçambeiros alegam que eles não recebem o que é depositado nas caçambas atualmente. Outras duas, próximo ao José Abrão e Moreninhas aguardam licenciamento. As áreas do Governo do Estado estão localizadas  na saída para São Paulo e na saída para Sidrolândia.

José Marcos ressaltou a necessidade de regularização da situação dos caçambeiros, que podem contribuir até na fiscalização, denunciando moradores que fazem depósito ilegal, como televisores e animais mortos.

Lacerda  encerrou a reunião pedindo sugestões dos envolvidos para encontrar uma solução futura para recuperação da área no Noroeste. A principal alternativa é buscar uma Parceria Público Privada.  O aterro foi fechado por decisão judicial porque não possui licença ambiental para operação.

A reunião contou ainda com a participação do secretário de Infraestrutura, Rudi Fiorese, e do diretor da Agência Municipal de Trânsito, Janine Bruno.

 

Veja Também

Estudo avalia se hidrelétricas na Bacia do Paraguai causam impacto ambiental
OAB anuncia novo recurso contra cobrança de bagagem em aviões
TJ mantém condenação por homicídio culposo em acidente de trânsito
Caravana da Saúde está de volta e ampliada
Assomasul promove treinamento sobre fiscalização de imposto
Empresa realiza maratona de programação para escolher estagiários
Obras do Reviva Centro alteram linhas de ônibus neste fim de semana
Em Brasília, cemitério que abriga personalidades é ponto turístico
Universidade realiza corrida de carrinhos de rolimã neste sábado
Projeto de Fábio Trad atualiza legislação militar no combate a crimes sexuais