Campo Grande •24 de Julho de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da redação | Quinta, 6 de Julho de 2017 - 08h35Prefeitura fecha acordo com MPE e Judiciário para instalar lâmpadas de LedMunicípio conseguiu acordo para invalidar permanência do contrato, mas garantir instalação das lâmpadas que já foram pagas

(Foto: Arquivo DD)

O procurador-geral do Município de Campo Grande, Alexandre Ávalo, conseguiu fechar acordo com o Ministério Público Estadual e Poder Judiciário para instalação de 16.126 lâmpadas de LED que foram compradas e estão estocadas na Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep).

Durante audiência na tarde desta quarta-feira (5), com participação do juiz David de Oliveira, promotor Marcos Alex Vera, e de representantes da empresa Solar Distribuidora e Transmissão S.A, o município conseguiu acordo para invalidar a permanência do contrato, mas garantir a instalação das lâmpadas que já foram pagas.

Com o acordo em mãos, Alexandre Ávalo foi ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) já nesta tarde para pedir autorização para a instalação das lâmpadas.

Decisão do TCE

No dia 21 de junho, o Tribunal Pleno do TCE aprovou  o voto do conselheiro-relator Ronaldo Chadid, proibindo a instalação das lâmpadas, mantendo suspenso o contrato feito pela antiga gestão. Eles ainda solicitaram que os autos fossem remetidos ao Ministério Público de Contas para “adoção das providências junto ao Ministério Público Estadual, destinadas, dentre outras, a apuração de crime de prevaricação, improbidade administrativa e infração político-administrativa, praticados pelo ex-prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal, e pelos demais agentes públicos e particulares que eventualmente tenham contribuído para a perpetração das irregularidades e crimes identificados”.

Na semana passada a Prefeitura de Campo Grande ingressou com Embargo de Declaração no Tribunal de Contas do Estado (TCE) solicitando liberação para instalação das lâmpadas de LED. O pedido levou em conta o clamor popular por uma iluminação pública melhor, a economia que as lâmpadas proporcionam e a dificuldade que a prefeitura pode encontrar para conseguir a devolução do dinheiro e das próprias lâmpadas, visto que 4.241, das 20.367 compradas a R$ 20.520.027,00, já foram instaladas.

“Se o objetivo da medida cautelar é prevenir uma futura lesão ao erário municipal, no caso presente, concessa máxima vênia, a impossibilidade de utilização das luminárias vem revelando o contrário, haja vista que o pagamento de sua aquisição já foi feito e, se o contrato não obedeceu aos ditames legais, compete a essa Corte de Contas apurar as responsabilidades dos administradores públicos que o celebraram”, diz parte do pedido.

A prefeitura também atentou para possível risco de deterioração das lâmpadas, ainda que estejam acondicionadas em containers.

“Ora, não são necessários grandes esforços de argumentação para se demonstrar que as luminárias de LED são artigos eletrônicos de fácil deterioração se sujeitos às intempéries a que ficaram sujeitos, podendo, dentro em breve, se tornar inúteis para utilização no serviço essencial de iluminação pública. A impossibilidade de utilização das luminárias de LED nos serviços de iluminação publica pelo Município está causando sérios e irreparáveis prejuízos não somente ao erário municipal, posto que foram todas elas devidamente pagas, mas atingindo também a própria população que está sendo privada da utilização desse serviço essencial”, diz outro trecho do pedido.

Veja Também
Em carreata, motoristas de Uber protestam na Capital
Cães nas ruas dificultam combate à raiva em Corumbá
Agetran promove ações alusivas ao Dias do Motorista e Motociclista
Material reaproveitável será utilizado na Oficina de Ecobags em Bonito
Prefeitura prepara 29ª Festa do Folclore de Três Lagoas
Arraiá Uems terá quadrilha, bandas e show de talentos
Obras da Euler de Azevedo são prorrogadas por 120 dias
Enfermeiros têm carga horária de 30h regulamentada em lei
Segunda, 24 de Julho de 2017 - 12h22Casa da moeda retoma a emissão de passaportes nesta segunda-feira Casa da Moeda estima que em até cinco semanas o serviço esteja regularizado, zerando a fila de espera
Segunda, 24 de Julho de 2017 - 12h00Injeção mensal contra HIV pode substituir tratamento diário, diz estudo Atualmente, portadores do HIV devem tomar um comprimido por dia para que vírus seja indetectável e não seja transmitido
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothShop
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento