Campo Grande •17 de Agosto de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner FM Cidade

Dayene Paz | Segunda, 7 de Agosto de 2017 - 11h46Prefeito acionará MPF sobre superlotação da Santa CasaPresidente da Santa Casa afirmou que o hospital está funcionando com regulação

  
(Foto: Luciano Muta)

O Prefeito de Campo Grande, Marcos Trad (PSD), afirmou que acionará o Ministério Público Federal (MPF) sobre os portões fechados do Pronto Socorro da Santa Casa. “Para evitar que pessoas corram risco de perder a vida por falta de atendimento, visto que o hospital está com os portões fechados”, declarou.

Hoje, o presidente da Santa Casa, Esacheu Nascimento, afirmou que o hospital está funcionando com regulação. “Era o único hospital que mantinha os portões abertos para demanda espontânea, mas há cerca de um mês está com sistema de regulação, em comum acordo com a secretaria de saúde”, destaca. De acordo com o Esacheu, o paciente passa pela classificação e se não está em estado grave, é encaminhado a outras unidades. 

Ele afirma que mesmo a regulação acontecendo há um mês, o caos e transtornos dessa semana se deram devido a superlotação. “Essa semana houve uma superlotação, até mesmo as salas cirurgia foram utilizadas como UTI, porque os pacientes que foram operados não tinham leitos”, revela o presidente.

Prisão de funcionários - Sobre a detenção de dois funcionários no sábado, após um desentendimento com militares do Corpo de Bombeiros, o presidente afirmou que está tudo sendo apurado. “O Samu e bombeiros já estão orientados de que uma vez resgatado o paciente, é necessário entrar em contato com a central de regulação para pegar a senha. Nesse caso de sábado, o agente chegou aqui com a senha que não confere com a senha de regulação e o funcionário foi conferir. O bombeiro de forma impaciente pulou o portão o cadeado e entrou com o paciente”, conta. Segundo levantamento, desde quarta-feira, 312 pacientes deram entrada no hospital. 

Contrato – Segundo Esacheu, há um déficit financeiro de R$ 3 milhões e um contrato que a prefeitura de Campo Grande não quer assinar. “Desde dezembro estamos trabalhando sem um contrato com o município. Há uma questão de ordem financeira que precisa ser resolvida. É preciso trazer mais apoio para que a Santa Casa possa continuar atendendo a população com qualidade e de maneira eficiente”, relata.

O governador do Estado afirmou que o repasse da verba para a Santa Casa está sendo depositado em dia, mas a prefeitura afirma que há uma pendência de R$ 2,5 milhões que é da parte do Estado. 

Veja Também
Capital inaugura casa de acolhimento para pessoas com deficiência
Três Lagoas intensifica vacinação contra HPV e Meningite
Estudante do IFMS é selecionado para o Parlamento Jovem Brasileiro
Mais de 40% dos flagrantes de violência contra a mulher resultam em prisão
Regional abre portas do PAM e desagrada prefeitura
STF nega indenização a MT por criação de parque indígena
CMO abre portões à comunidade no dia 27 de agosto
Enfermagem da Uems tem primeiro grupo de acadêmicos no Samu
MS poderá ter Cadastro de Condenados por Racismo ou Injúria Racial
Indígenas bloqueiam rodovia entre Dourados e Itaporã
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento