Campo Grande •22 de Janeiro de 2017  • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da redação | Sábado, 10 de Setembro de 2016 - 06h59Prata nos 100 metros, Fábio Bordignon trocou o futebol de 7 pelo atletismoPrimeira medalha paralímpica despertou em Fábio uma ânsia por chegar ainda mais longe

Fabio da Silva Bordignon leva medalha de prata nos 100m T35 nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, no Estádio Olímpico
Fabio da Silva Bordignon leva medalha de prata nos 100m T35 nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, no Estádio Olímpico (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Fábio Bordignon viu-se em uma encruzilhada e precisou tomar uma difícil decisão há um ano. O então jogador de futebol de 7, que fez parte da equipe que terminou em quarto lugar nos Jogos Paralímpicos de Londres 2012, tinha chances muito pequenas de ser chamado para defender o Brasil no Rio de Janeiro. “Houve uma renovação. Eu me enquadrava nos padrões que eles pediam, mas não era convocado. Fui trabalhando para ter uma chance, mas ela não vinha. E eu fiquei um pouco triste de nunca terem me dito o porquê de não ser mais chamado”, admite.

Ele precisava de uma alternativa para realizar a obsessão de competir praticamente em casa – Fábio nasceu em Duque de Caxias e hoje mora em São Gonçalo. “O que me fez decidir migrar do futebol de 7 para o atletismo foi o amor pelo meu país, pela camisa verde e amarela. Representar o seu país é um sonho de todo atleta, e comigo não é diferente”, atesta ele, que sofreu uma paralisia cerebral na hora do parto por falta de oxigenação no cérebro e ficou com os movimentos descoordenados nos membros inferiores e no braço esquerdo.

O atletismo era uma possibilidade desde os tempos em que trocava passes e dava chutes no campo. “Eu sempre joguei futebol de 7, mas o técnico me via jogando e percebia que eu era um atleta muito rápido. E ele me chamava para fazer provas de velocidade, mas eu nunca tinha pensado seriamente nisso porque eu amo futebol e não queria largá-lo”, afirma.

“Foi uma transição muito dolorosa, um obstáculo enorme que eu tive que superar. Mas tive que fazer essa escolha por querer representar o Brasil aqui nos Jogos. Eu não sabia que eu tinha talento para ser velocista”. O talento de Fábio é tamanho que, mesmo competindo no atletismo há pouco mais de um ano, já chegou à uma medalha paralímpica: a prata nos 100m da classe T35, com tempo de 12s66. “Eu não esperava ter um resultado assim e muito menos ganhar medalha. Eu dei o meu melhor e fiz a melhor marca da minha vida. Foi uma prova perfeita”.

Fábio agora assegura que passou a ser tão apaixonado pelo atletismo quanto é pelo futebol. “Eu não pude representar o Brasil pelo futebol, mas estou aqui no atletismo. Estarei na torcida para que o pessoal do futebol de 7, muitos deles meus companheiros na Paralimpíada passada, também ganhem medalha. E de preferência, de ouro”.

A primeira medalha paralímpica despertou em Fábio uma ânsia por chegar ainda mais longe. “A minha principal prova é os 100m e eu ainda estou aprendendo a correr os 200m também. Mas tenho semifinal dos 200m no domingo, e se Deus quiser, irei para a final na segunda. Tenho mais uma chance de medalha e quero buscar o ouro”. E se o atletismo surgiu na vida de Fábio como uma saída inesperada, ao colocar a prata no peito, veio a certeza: “No fim, acabei fazendo a escolha certa”.

Veja Também
Sábado, 21 de Janeiro de 2017 - 18h25Crianças a partir dos 9 meses devem tomar a vacina contra a Febre Amarela Dose está disponível na Rede Pública de Saúde
Sábado, 21 de Janeiro de 2017 - 17h25Incêndio em ônibus de estudantes mata pelo menos 16 na Itália Veículo transportava 56 pessoas que retornavam das férias na França
Cerca de 4 mil caçambas são recebidas no aterro sanitário “Dom Antônio Barbosa II”
Sábado, 21 de Janeiro de 2017 - 11h18Mulheres americanas contra Trump Presidente dos Estados Unidos enfrentam grande protesto neste sábado
Sábado, 21 de Janeiro de 2017 - 10h11Campo Grande escolhe hoje Miss e Mister Evento tenta reviver os tempos de glamour do concursos de beleza
Solurb recebe entulhos dos “caçambeiros”
Córregos são risco permanente
Sábado, 21 de Janeiro de 2017 - 07h30Risco de chuva ainda é bem grande Temperatura máxima deverá chegar a marca dos 30°
MS está entre os que menos perderam vagas
Rede MS divulga pesquisa a partir de segunda-feira
square noticias uci
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - cirurgia.net
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento