Campo Grande •24 de Janeiro de 2017  • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da Agência Brasil | Quinta, 5 de Janeiro de 2017 - 06h58População deve redobrar cuidados com o Aedes aegypti no verãoRecomendação é eliminar locais de água parada, onde o mosquito deposita suas larvas

Mosquito Aedes aegypti se reproduz em locais de água parada
Mosquito Aedes aegypti se reproduz em locais de água parada (Foto: Divulgação)

O verão cria as condições ideais de temperatura e umidade para a reprodução do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya, por isso os cuidados para combater o inseto devem ser reforçados nesta estação.

O alerta é do secretário estadual de Saúde do Rio de Janeiro, Luiz Antônio Teixeira Júnior. “É fundamental que todos se mobilizem, utilizando dez minutos por semana para vistoriar as próprias casas e eliminar possíveis focos [de reprodução do mosquito]. A prevenção ainda é a forma mais eficiente para se combater o vetor.”

A principal recomendação é eliminar locais de água parada, onde o mosquito deposita suas larvas. É preciso estar atento a vasos de plantas, pneus velhos, bacias e outros recipientes que possam armazenar água.

Chikungunya - O Rio de Janeiro registra casos das três doenças transmitidas pelo Aedes aegypti e em 2017 a previsão é que o número aumente, principalmente os de chikungunya. Considerado novo no país, o vírus da doença ainda não teve contato intenso com a população, o que preocupa as autoridades de saúde pela dimensão que uma eventual epidemia pode ter.

“Já tivemos a presença do tipo 1 da dengue desde 2011, logo, boa parte da população já tem imunidade contra esse vírus. Em 2015 e 2016, tivemos a circulação intensa do vírus Zika, fazendo com que uma parte significativa das pessoas tenha sido exposta a ele. Portanto, a chikungunya é a doença que mais nos preocupa neste verão”, explicou o subsecretário estadual de Vigilância em Saúde, Alexandre Chieppe,

A chikungunya é uma doença parecida com a dengue, mas costuma provocar febre bastante elevada de início súbito, acompanhada de fortes dores nas articulações. A doença costuma ter duas ondas: a primeira é a fase aguda da febre, dor no corpo e dor na articulação; na segunda onda, o paciente pode desenvolver sinais e sintomas por meses ou até anos. A doença pode causar uma incapacidade funcional durante semanas ou meses.

Veja Também
Força-tarefa começa a atuar em presídio do RN nesta quarta
Fornecimento de medicamentos e materiais da saúde serão normalizado em 30 dias
Advogado aguarda inquérito para pedir liberdade de policial
BR-163/MS terá exames de saúde gratuitos da CCR MSVia e ANTT
Suspeitos de permitir tortura são afastados de Unei
Fumacê vai percorrer nove bairros nesta terça na Capital
MEC diz que trabalha para sanar dificuldades de acesso ao Sisu
‘Cassems Itinerante’ leva atendimento até Coxim no próximo sábado
Mulher do ex-presidente Lula é internada após sofrer AVC
Após analisar áudios, Cenipa não vê anormalidade em avião que caiu em Paraty
square noticias uci
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
DothNews
Rec banner - cirurgia.net
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento