Campo Grande •26 de Maio de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da Agência Brasil | Quinta, 5 de Janeiro de 2017 - 06h58População deve redobrar cuidados com o Aedes aegypti no verãoRecomendação é eliminar locais de água parada, onde o mosquito deposita suas larvas

Mosquito Aedes aegypti se reproduz em locais de água parada
Mosquito Aedes aegypti se reproduz em locais de água parada (Foto: Divulgação)

O verão cria as condições ideais de temperatura e umidade para a reprodução do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya, por isso os cuidados para combater o inseto devem ser reforçados nesta estação.

O alerta é do secretário estadual de Saúde do Rio de Janeiro, Luiz Antônio Teixeira Júnior. “É fundamental que todos se mobilizem, utilizando dez minutos por semana para vistoriar as próprias casas e eliminar possíveis focos [de reprodução do mosquito]. A prevenção ainda é a forma mais eficiente para se combater o vetor.”

A principal recomendação é eliminar locais de água parada, onde o mosquito deposita suas larvas. É preciso estar atento a vasos de plantas, pneus velhos, bacias e outros recipientes que possam armazenar água.

Chikungunya - O Rio de Janeiro registra casos das três doenças transmitidas pelo Aedes aegypti e em 2017 a previsão é que o número aumente, principalmente os de chikungunya. Considerado novo no país, o vírus da doença ainda não teve contato intenso com a população, o que preocupa as autoridades de saúde pela dimensão que uma eventual epidemia pode ter.

“Já tivemos a presença do tipo 1 da dengue desde 2011, logo, boa parte da população já tem imunidade contra esse vírus. Em 2015 e 2016, tivemos a circulação intensa do vírus Zika, fazendo com que uma parte significativa das pessoas tenha sido exposta a ele. Portanto, a chikungunya é a doença que mais nos preocupa neste verão”, explicou o subsecretário estadual de Vigilância em Saúde, Alexandre Chieppe,

A chikungunya é uma doença parecida com a dengue, mas costuma provocar febre bastante elevada de início súbito, acompanhada de fortes dores nas articulações. A doença costuma ter duas ondas: a primeira é a fase aguda da febre, dor no corpo e dor na articulação; na segunda onda, o paciente pode desenvolver sinais e sintomas por meses ou até anos. A doença pode causar uma incapacidade funcional durante semanas ou meses.

Veja Também
Santa Casa só receberá pacientes regulados pela Sesau
Presidente do BNDES pede demissão
JBS pagará indenização de R$ 10 milhões a trabalhadores demitidos em 2011
Sexta, 26 de Maio de 2017 - 12h05MEC atualiza legislação de Educação a Distância no país Estratégia é ampliar a oferta de ensino superior no país para atingir a PNE
6° Circuito de Caminhadas do Servidor acontece sábado
Campanha de vacinação contra a gripe é prorrogada até 9 de junho
Escolas estaduais não terão aula dia 30
Sexta, 26 de Maio de 2017 - 10h43CCR MSVia prossegue com serviços de conservação na BR-163/MS Em caso de chuva as obras serão interrompidas
Procon encontra produtos vencidos e peixes em deterioração em supermercado
Sexta, 26 de Maio de 2017 - 09h54Feirão do Imposto acontece neste sábado Empresas na Capital devem comercializar produtos com isenção de tributos
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - cirurgia.net
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento