Menu
21 de maio de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega banner ALMS - AUDIÊNCIA PÚBLICA
Trânsito

Polícia investigará retirada de carro de local de acidente

Segundo testemunha, condutora do veículo estaria falando no celular

13 Set2017Valdelice Bonifácio17h18
(Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

A Polícia de Trânsito vai apurar o motivo de o  veículo Fiat Uno, placas NHY-6919, de Paranaíba, ter sido retirado do local de acidente fatal, no Bairro Tiradentes, em Campo Grande, na tarde desta quarta-feira, 13 de setembro.

A condutora Sirlene Robalinho, de 47 anos, atropelou a idosa Verônica Ricaldi Fernandes, de 91 anos, que morreu no local acidente, na Avenida José Nogueira Vieira. Após o acidente, a motorista se recolheu em uma farmácia e não falou com a imprensa. 

O marido dela, o procurador Gilberto Robalinho, disse que ela passou mal ao volante, por isso perdeu o controle da direção e atropelou a idosa.

Segundo informações, foi ele mesmo quem pediu a um conhecido que retirasse o carro do local.  Algo que a Polícia Militar haveria consentido. O sargento Carlos Alberto informou que o procedimento não é de praxe, mas que foi necessário.  "Havia risco de apedrejarem o carro. Por isso, o veículo foi levado para a delegacia onde será periciado", explicou.

Já a Polícia de Trânsito que chegou ao local após a PM questionou o procedimento. “Isso vai constar do nosso Boletim de Ocorrência. Vamos ter que investigar este fato. É claro que ouviremos a justificativa da outra parte”, disse o capitão William Nascimento, da Polícia de Trânsito.

A própria condutora se refugiou na farmácia por medo de ser agredida, segundo o marido dela. “Ela não fugiu do local, apenas foi à farmácia por que não estava passando bem”, ressaltou Robalinho. "Infelizmente não podemos trazer a senhora de volta. Ninguém quer que algo desse tipo aconteça", completou.

Contudo, testemunhas do acidente disseram que a mulher estava falando no telefone celular quando o acidente aconteceu. “Eu vi o acidente, ela estava no celular. Não teve mal súbito nenhum” garantiu a dona de casa Adenir de Oliveira, de 45 anos. O depoimento dela foi colhido pelas polícias militar e civil.

O local foi periciado e a condutora encaminhada ao Pronto Med da Santa Casa. Na sequência, ela seria levada para 4ª Delegacia de Polícia Civil que vai investigar o caso. Segundo policiais, na delegacia a mulher seria autuada em flagrante.

Veja Também

Rodovia que 'esfarelou' fica pronta em agosto
Simted suspende greve que iniciou na sexta-feira, dia 18
Dourados receberá Caravana da Saúde Indígena em junho
Campanha de Vacinação já imunizou 129 mil pessoas, diz prefeitura
Projeto estabelece o rastreamento precoce de doenças
Programa Universitário Cidadão tem início em Três Lagoas
Defesa Civil do Estado avalia impactos da cheia do Pantanal
Câmara conclui votação da regulamentação da profissão de físico
EUA acusam aliado de Maduro de narcotráfico e impõem sanções
Projeto endurece pena para homicídio contra população LGBT