Campo Grande •25 de Julho de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner - Rota das estações

Da Agência Brasil | Sexta, 30 de Junho de 2017 - 12h30Polícia Federal combate serviços de segurança irregulares em todo o paísSegundo a PF, no Brasil existem mais de 2.5 mil empresas de segurança privada legalizadas

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (30) a Operação Segurança Legal para fiscalizar serviços de segurança irregulares e as empresas contratantes. “A contratação de serviços clandestinos de segurança privada coloca em risco a integridade física e o patrimônio dos tomadores do serviço, já que esses seguranças não são checados quanto aos seus antecedentes criminais, formação, aptidão física e psicológica”, afirmou a PF em nota.

Além do risco, os equipamentos utilizados nesse tipo de segurança podem ser oriundos de outras atividades ilegais, como armas e munições de origem irregular ou contrabandeadas.

Segundo a PF, no Brasil existem mais de 2.5 mil empresas de segurança privada legalizadas. No entanto, estima-se que o número de companhias clandestinas que atuam no setor seja quase o dobro, causando a chamada concorrência predatória. A estimativa é de que esse serviço clandestino movimente cerca de R$ 60 bilhões por ano, valor que escapa também ao recolhimento de tributos. Em quase todos os casos, há ainda violação flagrante dos direitos trabalhistas por meio de postos informais de trabalho.

A PF investiga ainda o alto número de agentes públicos envolvidos com a segurança privada irregular, em sua maioria policiais ou outros agentes da segurança pública. “Chamou atenção o número de mortes de servidores da segurança pública fora de serviço. Grande parte estaria exercendo atividades de segurança privada de forma irregular”, informou.

A ação ocorre em todas as unidades da PF do país. Cerca de 500 agentes fiscalizarão, durante todo o dia, as empresas que exercem atividade de segurança privada sem autorização. A prática dessa atividade clandestina configura crime, cuja pena é de prisão de três meses a dois anos, também para o tomador do serviço que insista na contratação irregular.

Veja Também
Contribuinte recebe carro 0km do sorteio do IPTU/2017
Ex-ministro mediará painel de debate sobre turismo de eventos na Capital
Terça, 25 de Julho de 2017 - 12h36Justiça Federal em Brasília suspende aumento de impostos sobre combustíveis Previsão do governo é arrecadar mais R$ 10,4 bilhões com o aumento do PIS/Cofins sobre os combustíveis
Cirurgias eletivas e atendimento ambulatorial são suspendidos
Terça, 25 de Julho de 2017 - 11h09Saiba onde CCR MSVia implanta pare-e-siga na BR-163/MS Em caso de chuva, as obras poderão ser interrompidas
Água dos rios de MS será monitorada
Confiança do empresário segue negativa
Terça, 25 de Julho de 2017 - 09h40Inscrições para o Fies no segundo semestre começam hoje Novo Fundo de Financiamento Estudantil será dividido em três modalidades
Truques da
Terça, 25 de Julho de 2017 - 08h28Capital recebe seminário para prevenção de acidentes de trabalho nesta quinta Objetivo é conscientizar empresas, trabalhadores e sociedade da importância da prevenção dos acidentes e doenças do trabalho
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
DothShop
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento