Campo Grande •24 de Março de 2017  • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Agência Brasil | Domingo, 1 de Janeiro de 2017 - 09h30Pesquisadores de SP e Texas estudam causas do estresse crônico em criançasEstresse crônico normalmente está relacionado à pobreza, abusos, conflitos familiares e uso de drogas

(Foto: Marcello Jr/Arquivo da Agência Brasil)

Um grupo de pesquisadores do Departamento de Psiquiatria da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em parceria com colegas da Texas Tech University (TTU), dos Estados Unidos, desenvolve um estudo que pretende identificar, nos dois países, causas comuns do estresse crônico, principalmente em crianças.

O estresse crônico normalmente está relacionado à pobreza, abusos, conflitos familiares e uso de drogas. “Já detectamos que é comum, nas duas regiões, a alta prevalência de abuso infantil”, destacou a pesquisadora Andrea Parolin Jackowski, professora da Unifesp e coordenadora do projeto do lado brasileiro.

Informações preliminares do estudo indicam que, apesar das diferenças culturais, há semelhanças significantes nas reações das crianças dos dois países ao estresse tóxico: crianças que vivem em extrema pobreza em East Lubbock, no Texas, ou no centro-sul de Los Angeles, por exemplo, apresentam efeitos cognitivos e comportamentais semelhantes aos das que moram em favelas no Brasil.

“O que a gente percebe é que, independentemente do país que você resida, seja em um país como os Estados Unidos, que é um país desenvolvido, ou um país como o Brasil, que é um país em desenvolvimento, o estresse afeta da mesma forma o desenvolvimento da criança. Claro que existem diferenças culturais, que têm um papel importante, mas é uma forma de a gente poder fazer uma comparação entre as populações”, disse Parolin.

Em outubro, os pesquisadores do Texas vieram a São Paulo para conhecer os lugares pesquisados – como a região da cracolândia, no centro da capital paulista – e verificar in loco a realidade em que vivem as crianças que estão sendo estudadas pela coordenadora do projeto brasileiro. Em 2017, será a vez de os pesquisadores brasileiros irem aos EUA.

“A gente quer entender qual é o papel da cultura, das questões culturais no próprio desenvolvimento da criança, se são fatores protetores, aquilo que pode deixar o ambiente mais saudável e impedir que essa criança tenha uma doença no futuro. E entender também um pouco mais quais são os fatores de risco, porque existem questões que são muito peculiares de cada cultura”, ressaltou.

A pesquisa brasileira está sendo financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O intercâmbio entre os pesquisadores recebe apoio do programa São Paulo Researchers in International Collaboration (Sprint - em português, Pesquisadores de São Paulo em Colaboração Internacional).

Veja Também
Centro de Convivência promove ação social neste sábado
Reunião sobre demissão de 120 pessoas termina sem acordo
Moradores de rua são encaminhados para o mercado de trabalhadores
Uniforme escolar começa a ser distribuído na segunda
Com terceirização, salários ficarão até 30% menores, alerta a Fetracom
Trote Ecológico reúne universitários no Parque das Nações Indígenas
Governo não corta ponto e exige reposição de aulas
Sexta, 24 de Março de 2017 - 12h55Pátio Central Shopping recebe exposição “Meu Olhar pelo Down” Fotógrafa retrata emocionante vivência com alunos da Associação Juliano Varela em exposição itinerante gratuita
Sexta, 24 de Março de 2017 - 12h38PMA e PRF apreendem 11,7 toneladas de agrotóxicos e outros produtos perigosos Motorista apresentou somente nota fiscal da carga e declarou que empresa não entregou licença ambiental para transporte
Cultura Nerd resiste após várias crises
Square Banner Sicredi
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
Rec banner - cirurgia.net
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento