Campo Grande •20 de Setembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
ALMS - Gestão para Pessoas

Da redação | Sábado, 26 de Agosto de 2017 - 08h51Pesquisador de MS atua em estudo internacional sobre Bacia do ParaguaiGrupo reúne especialistas nacionais e estrangeiros para identificar e classificar riscos de impacto nesse ecossistema

(Foto: Divulgação)

O professor da Uniderp e biólogo José Sabino é um dos representantes de Mato Grosso do Sul no grupo de especialistas em Meio Ambiente que discutem a atualização do Índice de Risco Ecológico (IRE) da Bacia do Paraguai, em um encontro promovido pela WWF-Brasil, em Brasília. O instrumento, lançado em 2012, permite avaliar o estresse que o ecossistema está submetido, por meio da identificação e classificação das ameaças em relação à severidade e também mapeamento da frequência de ocorrência. Mais de 20 pesquisadores nacionais e estrangeiros, vindos da Argentina, da Bolívia e do Paraguai, integram a discussão.

Doutor em Ecologia, Sabino é docente nos programas de mestrado e doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional da Uniderp e possui reconhecimento internacional pelo Projeto Peixes de Bonito, que desenvolve pesquisa sobre ecologia e comportamento de peixes e tem como objetivos a conservação da biodiversidade e o uso sustentável dos rios do Planalto da Bodoquena.
"Em território nacional, a Bacia do Alto Paraguai está apenas no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Em Brasília, estamos identificando os agentes estressores e vamos elencar os riscos para gerar mapas e dados para conservação e sustentabilidade da região, informações que servirão de subsídio para o poder público e a sociedade no desenvolvimento de ações de proteção e redução de impacto na área", explica o professor. Com extensão de aproximadamente 368 mil km², a Bacia do Alto Paraguai está localizada no Pantanal, a maior planície alagável do planeta, também reconhecido como Patrimônio Nacional pela Constituição Federal e Reserva da Biosfera e Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco.

"É importante ressaltar que os múltiplos usos da região para agricultura, pecuária mineração e turismo devem obedecer a regras de conservação para minimizar os impactos na busca da sustentabilidade das atividades. A meta é conciliar a produção com boas práticas ambientais, de maneira a proteger os serviços ecossistêmicos", esclarece Sabino.

A primeira edição do IRE - idealizada pela WWF Brasil e a The Nature Conservancy (TNC), maior organização ambiental do mundo, aponta que, apesar da sua importância ecológica e econômica, os ambientes aquáticos da Bacia do rio Paraguai são constantemente ameaçados pela degradação, especialmente nos planaltos e chapadões que circundam o Pantanal, onde nascem os principais rios que mantêm viva a planície, em áreas de Cerrado.

Por tais fatores, é fundamental conhecer como ameaças, isoladas ou em conjunto, afetam sua integridade ecológica, pois as mudanças climáticas podem aumentar a força e quantidade de inundações ou secas, por exemplo.

 

Veja Também
Correios paralisam por tempo indeterminado
Minha Casa Minha vida sem recursos
Quarta, 20 de Setembro de 2017 - 06h31Temperatura pode chegar a 35° Névoa seca deve predominar durante todo o dia
Paciente que ficou nu recebeu atendimento, diz Sesau
Pelo menos 49 pessoas morreram em terremoto no México, dizem autoridades
Agentes penitenciários vão parar por 24h em MS
Audiência nesta quarta debate a situação dos idosos na Capital
Rede de lojas distribuirá cinco mil mudas de árvores
Papai Noel dos Correios vai atender 7 mil alunos na Capital
Forte terremoto atinge a capital mexicana
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento