Campo Grande •27 de Junho de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Agência Brasil | Sábado, 18 de Março de 2017 - 10h43Pesquisa: 42 policiais federais se suicidaram entre 1999 e 2015Mais da metade dos casos ocorreu em apenas em cinco anos: entre 2010 e 2015

(Foto: Agência Brasil)

Um levantamento feito pelo Sindicato dos Servidores Públicos Civis Federais do Departamento de Polícia Federal do Estado de São Paulo (Sindpolf-SP) revela que entre 1999 e 2015 houve 42 casos de suicídio entre policiais federais. Os dados foram entregues à Polícia Federal e discutidos hoje (17) no 1º Encontro de Prevenção ao Suicídio, na sede da Superintendência da Polícia Federal em São Paulo.

Mais da metade dos casos ocorreu em apenas em cinco anos: entre 2010 e 2015, foram 24 suicídios e sete tentativas. Entre 1999 e 2004 foram oito casos e entre 2005 e 2009, dez. Entre 2002 e 2004 não foram registados casos, mas o destaque fica para o período de 2010 a 1014 no qual houve 22 suicídios, sendo que só em 2012 oito policiais tiraram a própria vida. 

“O suicídio é algo muito sensível na área da segurança pública e a Polícia Federal é o serviço em que há mais casos. Falar na razão que leva a pessoa ao suicídio é complexo porque é um conjunto de fatores, mas, sem dúvida, no caso da Polícia Federal, tivemos perseguição e briga interna por cargos, e nós não temos plano de reestruturação dea carreira. Isso faz com que o profissional se desmotive e há também o assédio moral”, disse o presidente dos Sindipolf-SP, Alexandre Santana Sally.

Além disso, Sally destacou o risco inerente à profissão e a percepção da sociedade sobre o trabalho do policial. “Na época da repressão, [a PF] era um braço do governo e com a Constituição de 1988 começou a ocorrer uma renovação do quadro ao longo do anos. Houve uma evolução, e a polícia hoje não é somente repressora, e sim cidadã. [Tem papel] de proteção e prevenção, só que o cidadão ainda se atém à repressão e à tortura. Para nós, que estamos na rua, tem um reflexo emocional muito grande.”

Profissões de risco - Segundo o psiquiatra Roberto Tonanni de Campos Mello, que atua na Superintendência da Polícia Federal em São Paulo, médicos e policiais têm maior incidência de suicídio do que profissionais das demais categorias porque ambos têm os meios para fazer isso. “O médico sabe usar o remédio para acabar com a própria vida e os policiais têm a arma como um recurso fácil. Aqui na Polícia Federal houve uma série de ocorrências que mobilizou a direção para fazer alguma coisa.”

Tonanni explicou que, desde 2014, foi estabelecida a regra que determinava o recolhimento da arma de qualquer policial que fosse afastado do trabalho por doença mental, como forma de prevenção. “Muitos questionaram essa medida, porque consideraram que há outros meios para se suicidar, porém é aquele minuto que faz a diferença. Se ele não tem a arma, não usa, e pode ser que depois consiga conversar com alguém ou que alguém perceba que não está bem. Isso faz a diferença entre a pessoa se matar ou não.”

O presidente do Centro de Valorização da Vida (CVV), Robert Gellert Paris Júnior, ressaltou que 90% dos casos de suicídio são evitáveis. Atualmente, são registrados 1 milhão de suicídios por ano em todo o mundo, número que Gellert considera subestimado. “O suicídio é um estigma, e as famílias não gostam de dizer que um parente se suicidou. Uma morte a cada 40 segundos é um problema de saúde pública porque pode ser evitado se tivermos os cuidados relativos a essa emergência.”

Gellert disse que a presença de alguém que se importe com a pessoa que está passando por problemas que podem levar ao suicídio é primordial, porque uma conversa pode mudar esse processo. “A saúde mental e emocional tem a ver com escolhas e saber que tem saída. Quando se está desesperado, não se enxerga mais nada. Por isso, é necessário falar sobre suicídio, já que esse milhão de pessoas morre por ano, e ninguém fala sobre isso.”

O presidente do CVV disse ainda que, no mínimo, 17% da população pensou ou vai pensar em se matar pelo menos uma vez na vida. “Não é uma anormalidade, é uma coisa que acontece na nossa vida. Às vezes, pensamos em desistir. É normal. E, se não tem com quem falar e não procura ajuda, a pessoa acaba se matando. O incentivo é para falar, e procurar ajuda porque o suicídio é evitável.

Veja Também
Médicos são notificados sobre liminar que suspende greve
Na Expo Beauty, beleza masculina está em destaque
Ação levará serviços à população de rua da Capital
Em Dourados, mutuários podem parcelar dívidas em até 10 vezes
Auditoria do TCE-MS encontra obras paralisadas em escolas
Justiça manda prefeitura interromper erosão no Sóter
Esquadrilha da Fumaça se apresenta em Bonito no dia 1º de agosto
Segunda, 26 de Junho de 2017 - 12h25Temer sanciona lei que permite descontos para compras feitas em dinheiro Lei que regulamenta a diferenciação de preços tem como origem a Medida Provisória (MP) 764/2016
Segunda, 26 de Junho de 2017 - 12h03Cheques devolvidos é menor em MS Em maio percentual de devoluções foi de 2,15%, aponta Serasa Experian
Segunda, 26 de Junho de 2017 - 11h33CCR MSVia segue com pare-e-siga na BR-163/MS Em caso de chuva as obras serão interrompidas
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothShop
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento