Menu
26 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner Governo do Estado - Gestão por Competência
Obras

Penitenciária de Naviraí passa por reformas após rebelião

Internos estão ajudando, com o objetivo de reduzir custos

19 Set2016Mariel Coelho, em colaboração ao Diário Digital14h10

O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, por meio da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública e da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), está trabalhando na reestruturação da Penitenciária de Naviraí, que teve vários setores destruídos durante a rebelião ocorrida no dia 4 de agosto.

Já está em andamento à troca de alambrados por muros e a reforma das paredes e tetos e foi implantado o uso de uniforme por todos os presos, além-designação de mais servidores para cobrir as escalas de plantão, através do pagamento de horas extras.

O diretor-presidente da Agepen, Ailton Stropa Garcia, diz que a reestruturação da unidade prisional está ocorrendo por etapas, conforme as possibilidades de segurança e dentro de uma programação pré-estabelecida.

Segundo ele, a prioridade após a rebelião foi o restabelecimento do fornecimento de água potável, que ocorreu nos dias seguintes à situação de crise, com trabalho realizado pela Sanesul. “Nós também providenciamos a troca da bomba do poço artesiano, já que a reforma traz demanda maior de água”, explica. “Também fornecemos cobertores e kits de higiene aos detentos”, completa.

O dirigente ressalta que “As instalações elétricas e hidráulicas foram e estão sendo refeitas, vários setores já estão funcionando, como os consultórios médico e dentário, devendo, neste início de semana, voltar a funcionar a sala da OAB, com atendimento a internos por advogados”, informa.

Devido à necessidade de urgência para que os reparos sejam feitos, parte da compra dos materiais utilizados na obra já foi feita por ata de registro de preço e outra parte está se dando por compra direta. “Também estamos utilizando mão de obra dos próprios internos, com o objetivo de reduzir custos”, ressalta o dirigente.

Conforme Stropa, apesar de a visitação de familiares estarem impedida no momento, todos os que procuram a unidade estão recebendo informações sobre seus parentes presos, através da equipe de servidores da penitenciária. Também está sendo permitida a entrega de medicamentos e pertences, apesar de a Secretaria Municipal de Saúde ter fornecido remédios de uso contínuo ao presídio e todos os internos já terem recebido kits de higiene e cobertores providenciados pela Agepen.

“O engajamento de todos os servidores da unidade e o esforço do diretor Rogério Capote, além do auxílio sempre presente do Poder Judiciário, do Ministério Público, da OAB, da Prefeitura Municipal e da comunidade local, têm sido determinantes para que o presídio volte a funcionar dentro da normalidade no mais curto espaço de tempo possível”, finaliza o diretor-presidente.

Veja Também

Vítima de acidente, engenheira morre em hospital
Prefeitura da Capital afirma ter suprido déficit de medicamentos
23° Encontro de Estudantes de Relações Internacionais será na Capital
Vereadora solicita construção de UBS para bairros da Capital
Usina indenizará vítima de atropelamento em rodovia
Câmeras flagraram atropelamento fatal
Vacinação contra gripe na Praça Ary Coelho
Vereador apresenta projeto a supermercados para reaproveitar alimentos
TJ permite que candidata continue em concurso para escrivã de Polícia
População retira kit gratuito para sinal digital