Menu
19 de janeiro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Julgamento

Pedreiro que tentou matar a ex pega regime aberto

Réu desferiu várias facadas contra a vítima e só parou quando pensou que ela estivesse morta

15 Mai2018Da redação15h19

O pedreiro Renato Franca Sampaio foi condenado a quatro anos de prisão, em regime aberto, por tentativa de homicídio simples contra a ex-companheira. O crime foi praticado na residência onde o casal morava no Bairro Guanandi, em Campo Grande, em 30 de março de 2014. Desconfiado de uma suposta traição, Renato brigou com a mulher e a esfaqueou várias vezes, parando apenas quando pensou que a vítima estivesse morta.

O réu foi a julgamento nesta terça-feira (15), na 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande. Ele respondia pelo crime em liberdade e continuará livre. Como cabe recurso à sentença, o réu poderá recorrer do resultado do julgamento de hoje. A sentença só começará a ser cumprida quando o processo transitar em julgado.

Consta na denúncia que na data dos fatos, o acusado estava em sua residência, local onde moravam a vítima, seus filhos, sua mãe e seu tio. O réu indagava a companheira sobre a suposta traição. Irritado, em virtude da desconfiança, o acusado pegou duas facas, uma menor e outra maior, e investiu contra a mulher.

Segundo o Ministério Público, o tio tentou intervir e foi também golpeado no abdômen. Após ser golpeado, o homem se escondeu em um quarto e a mulher tentou tranquilizar o réu. Foi aí que ele desferiu diversos golpes de faca, apenas cessando a agressão quando acreditou que ela estava morta. Após o crime, o denunciado evadiu-se do local e as vítimas foram socorridas pelo Corpo de Bombeiros.

O acusado e a vítima conviviam maritalmente e possuíam um filho. Antes do crime, a vítima já havia terminado o relacionamento com o réu, em virtude de sua agressividade e por ser usuário de entorpecente. Entretanto, em outubro de 2013, reataram o relacionamento.

Para o MP, o crime foi praticado por motivo fútil, uma vez que motivado por ciúme e por sentimento de posse, bem como praticado no âmbito da residência do casal e em razão do relacionamento amoroso.

Em sentença de pronúncia proferida em março de 2017, o juiz titular da vara, Carlos Alberto Garcete de Almeida, decidiu submeter o acusado a julgamento por júri popular pelo crime de tentativa de homicídio qualificado por motivo fútil com relação e desclassificou o crime com relação ao tio para o crime de lesão corporal. No julgamento desta terça-feira, o juiz retirou a qualificadora de motivo fútil.

Veja Também

Clima Possibilidade de chuva em Campo Grande Temperatura deve chegar aos 29ºC
Governo prorroga por um ano Operação Acolhida a venezuelanos
Casa ou apartamento? Entenda as vantagens de cada um
Em Corumbá, agência combate transporte irregular de passageiros
Crescimento do mercado funerário é aposta para novos empreendedores
Procon recebe denúncias pelo WhatsApp
Agetran fará interdições na ponte da Rua Bom Sucesso e área central
Agendamento para castração de felinos será no dia 21 no CCZ
Técnicos de educação infantil aprovados em concurso são convocados
Vítimas de estupro, índias prestam depoimento com ajuda de intérpre de língua