Menu
19 de junho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Em MS

Para humanizar atendimento de mulheres vítimas da violência, Governo entrega Sala Lilás no Imol

Segundo subsecretária de Estado de Políticas Públicas para Mulheres, Luciana Azambuja Roca, objetivo é construir outras unidades no interior

15 Nov2017Da redação12h18

Para humanizar o atendimento dado às mulheres vítimas de violência física e sexual, o Governo do Estado inaugurou nessa terça-feira (14.11) a Sala Lilás no Instituto de Medicina e Odontologia Legal (Imol) em Campo Grande. O ambiente, preparado para atender mulheres, meninas e crianças de forma exclusiva, é o primeiro de Mato Grosso do Sul. Mas, segundo a subsecretária de Estado de Políticas Públicas para Mulheres, Luciana Azambuja Roca, o objetivo é construir outras unidades no interior.

“A Sala Lilás é um legado para a população, que revela, efetivamente, a ação das políticas públicas para mulheres e crianças. A Sejusp [Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública] reformou uma sala com entrada exclusiva, que separa vítimas de agressores. O deputado estadual Rinaldo Modesto empenhou emenda de R$ 20 mil para aquisição de equipamentos e a Sedhast [Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho] dobrou o valor para a compra de mais mobília. Agora, estamos trabalhando para levar mais unidades da Sala Lilás ao interior”, revelou.

Mulheres e crianças de zero a 11 anos vítimas de violência física e sexual serão atendidas no ambiente exclusivo para realização de exames de corpo de delito. Conforme Luciana, a ideia de construir um espaço de atendimento especial surgiu ainda em 2015. “Conhecemos a primeira Sala Lilás do Brasil, que fica em Porto Alegre (RS) e foi idealizada pela perita criminal Andrea Brochier. Decidimos aplicar o formato aqui para dar atendimento especializado, com mais dignidade e segurança no acolhimento no acolhimento das vítimas”, completou Luciana. “É um ambiente importante para o atendimento e para dar tranquilidade e segurança para as crianças e mulheres vítimas da violência”, afirmou o governador Reinaldo Azambuja.

A violência física e sexual contra mulheres e jovens no Brasil é uma realidade revelada pelo Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Conforme o levantamento, divulgado em outubro deste ano, a cada uma hora, 503 mulheres sofrem violência de forma física e sexual no País; a cada duas duas horas, uma mulher é assassinada. Os dados de Mato Grosso do Sul também preocupam, de 1º de janeiro a 13 de novembro, 23 mulheres morreram no Estado vítima de feminicídio, uma média de duas mortes por mês.

“Por isso a Sala Lilás também funciona como uma forma de motivar e encorajar as vítimas a denunciarem a violência”, completou. Na recepção do espaço, estagiárias do Vale Universidade farão os primeiros atendimentos. “São acadêmicas de Enfermagem, Psicologia, Medicina, Assistência Social, Direito e outros cursos ligados à segurança pública e à rede de atendimento às mulheres vítimas de violência”, pontuou.

Além do governador Reinaldo Azambuja e da subsecretaria Luciana Azambuja Roca, estiveram presentes na entrega da Sala Lilás o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, José Carlos Barbosa; a juíza Jaqueline Machado, os deputados Rinaldo Modesto e Mara Caseiro; a promotora, Luciana Rabelo; e a coordenadora de perícias, Glória Suzuki. (Com Notícias MS)

Veja Também

Clima Manhãs frias e tardes quentes Dias devem permanecer com temperatura em elevação
Sitiante é autuado por manter macaco-prego em cativeiro
Anvisa suspende venda de fraldas Huggies Turma da Mônica
Colisão frontal mata duas pessoas em rodovia
Simted rejeita proposta feita pela prefeitura de Corumbá
Governo do Estado promove 113 PMs a sargento
Campanha do Agasalho do Judiciário é prorrogada até o dia 10 de julho
Castração de gatos no CCZ deverá ser agendada presencialmente
Empresário sugere proibição de fogos de artifício com ruído
Deficientes poderão ser isentos de taxa de inscrição em concursos