Campo Grande •23 de Fevereiro de 2018  • Ano 7
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner Águas Guariroba - Campanha Águas Faz Mais

Da Agência Brasil | Quarta, 14 de Setembro de 2016 - 12h24Omissão dos cidadãos contribui com a violência homofóbica, diz coordenador“São cenas impressionantes de violência bárbara e homofóbica", afirma

O coordenador do programa estadual Rio sem Homofobia (RSH), Cláudio Nascimento, disse hoje (14) que a omissão das testemunhas da agressão a uma travesti, no último domingo (11), na zona oeste do Rio de Janeiro, contribuiu para que a violência ocorresse.

“São cenas impressionantes de violência bárbara e homofóbica. Três homens agredindo a travesti e a irmã dela, e o pior, com várias pessoas ao redor sem fazer nada. Choca demais. Temos inúmeros casos de violência homofóbica acontecendo e o fato de a população apenas discordar disso não ajuda a vítima. Quem presenciar alguma ação do tipo, tem que procurar apoio. Entendemos que, em muitos casos, a intervenção não se dá pelo temor de sua própria segurança, mas quando esse for o cenário, que a pessoa se desloque e ligue para um policial, ou procure um por perto. O que não cabe é ficar parado assistindo”, disse.

Segundo Cláudio Nascimento, é possível denunciar casos de homofobia por meio do Disque Cidadania LGBT, que funciona pelo número 0800 0234 567. O coordenador disse que conversou com o delegado Daniel Mayr, responsável pela ocorrência, e que as autoridades estão tratando o caso como violência homofóbica. Nascimento classificou como importante o parecer da polícia já que, segundo ele, muitos delegados têm dificuldade em tratar casos como esse.

“Eu venho tendo um diálogo com o Mayr e ele está tratando o caso como violência homofóbica. Isso é importante, pois muitos delegados atualmente têm dificuldade de ter essa sensibilidade, de assumir que o caso envolve esse fator motivacional. As investigações vão continuar, segundo o delegado, e eu, assim como toda a sociedade, espero uma resposta firme do Estado”.

De acordo com o coordenador do Rio sem Homofobia, a travesti encontra-se fisicamente bem, na medida do possível, mas muito abalada psicologicamente. “Está traumatizada demais, muito triste e preocupada com a família. Estamos dando todo o suporte a ela. Já teve atendimento médico e está se comportando bem. Veremos se ela necessitará de alguma cirurgia, embora tenha rechaçado a possibilidade. De todo modo, estaremos de perto para ajudá-la em um momento delicado como este”, concluiu.

Veja Também
Sexta, 23 de Fevereiro de 2018 - 12h27União pode suspender repasse Para milhares de municípios brasileiros estão em situação irregular
Rio da Prata volta cobrir trilha
Sexta, 23 de Fevereiro de 2018 - 06h47Temperatura pode chegar a 31° Possibilidade chuvas isoladas no final da tarde
Clientes do Banco do Brasil poderão fazer transações pelo Facebook
Extração de gás de xisto pode trazer prejuízos a MS, alerta MS
Criança encontra dinheiro na rua e entrega à polícia
Utilidades para o gás GLP que você não sabia
Árvore cai em cima de residência no Bairro Caiçara
Cadastro biométrico será suspenso neste fim de semana
Governador anuncia ajuda emergencial a desabrigados
Square notícias UCI 2018
Vídeos
Diário Digital no Facebook
DothNews
Rec banner - Patio central
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2018 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento