Menu
21 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Nacional

Omissão dos cidadãos contribui com a violência homofóbica, diz coordenador

“São cenas impressionantes de violência bárbara e homofóbica", afirma

14 Set2016Da Agência Brasil12h24

O coordenador do programa estadual Rio sem Homofobia (RSH), Cláudio Nascimento, disse hoje (14) que a omissão das testemunhas da agressão a uma travesti, no último domingo (11), na zona oeste do Rio de Janeiro, contribuiu para que a violência ocorresse.

“São cenas impressionantes de violência bárbara e homofóbica. Três homens agredindo a travesti e a irmã dela, e o pior, com várias pessoas ao redor sem fazer nada. Choca demais. Temos inúmeros casos de violência homofóbica acontecendo e o fato de a população apenas discordar disso não ajuda a vítima. Quem presenciar alguma ação do tipo, tem que procurar apoio. Entendemos que, em muitos casos, a intervenção não se dá pelo temor de sua própria segurança, mas quando esse for o cenário, que a pessoa se desloque e ligue para um policial, ou procure um por perto. O que não cabe é ficar parado assistindo”, disse.

Segundo Cláudio Nascimento, é possível denunciar casos de homofobia por meio do Disque Cidadania LGBT, que funciona pelo número 0800 0234 567. O coordenador disse que conversou com o delegado Daniel Mayr, responsável pela ocorrência, e que as autoridades estão tratando o caso como violência homofóbica. Nascimento classificou como importante o parecer da polícia já que, segundo ele, muitos delegados têm dificuldade em tratar casos como esse.

“Eu venho tendo um diálogo com o Mayr e ele está tratando o caso como violência homofóbica. Isso é importante, pois muitos delegados atualmente têm dificuldade de ter essa sensibilidade, de assumir que o caso envolve esse fator motivacional. As investigações vão continuar, segundo o delegado, e eu, assim como toda a sociedade, espero uma resposta firme do Estado”.

De acordo com o coordenador do Rio sem Homofobia, a travesti encontra-se fisicamente bem, na medida do possível, mas muito abalada psicologicamente. “Está traumatizada demais, muito triste e preocupada com a família. Estamos dando todo o suporte a ela. Já teve atendimento médico e está se comportando bem. Veremos se ela necessitará de alguma cirurgia, embora tenha rechaçado a possibilidade. De todo modo, estaremos de perto para ajudá-la em um momento delicado como este”, concluiu.

Veja Também

Agetran alerta para interdições em vias neste sábado e domingo
Idosa sofre com adiamentos de cirurgia
Trabalhador fica preso em ferragens após acidente em rodovia
Governo revitaliza asfalto de três rodovias estaduais
Justiça Federal torna Cabral réu pela 23ª vez na Lava Jato
Prefeitura convoca mais 70 médicos inscritos na cadastro temporário
Em MS Atenção motoristas: BR-163/MS passa por obras da CCR MSVia Em caso de chuvas, as obras serão suspensas
Drone e ferramentas artesanais fazem sucesso na 3ª edição da Tecnofam
UFMS Acadêmicos da UFMS fecham portões e esperam por reitor Estudantes querem que o curso de Licenciatura em Educação no campo continue na faculdade
Tribunais e cartórios de MS serão inspecionados