Menu
16 de julho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Super Banner Campo Grande Expo
Denúncia

Obra pública inacabada acumula água parada na Capital

Prédio que deverá abrigar Centro de Belas Artes vira perigo para saúde pública

18 Jul2017Valdelice Bonifácio16h50
(Foto: Marco Miatelo)
  • Água parada pode estar servindo de berçário ao mosquito da dengue dentro de obra pública inacabada na Capital
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

A obra parada do Centro de Belas Artes, inicialmente projetado para ser uma rodoviária, no Bairro Cabreúva, em Campo Grande, está se tornando um perigo para a saúde pública. Isso porque há água se acumulando no interior do prédio em ‘piscinas’ que podem servir de berçário ao mosquito da dengue.

A situação foi denunciada primeiramente pelo programa Balanço Geral da TV MS Record exibido nesta terça-feira, 18 de julho. A piscina cheia de água está no local possivelmente projetado para ser um jardim de inverno. Há mosquitos na água.

Em nota, a prefeitura informou que a Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais (CCEV) vai realizar uma visita  no local nesta quarta-feira (19), para identificar e eliminar os possíveis criadouros.

Conforme a prefeitura, esta visita já estava programada para acontecer nos próximos dias, pois a última visita no local foi realizada no mês passado, conforme o cronograma de visitas em pontos como este.  

Obra - Iniciada há 24 anos, a obra foi originalmente projetada para comportar o terminal rodoviário de Campo Grande –  localizada no bairro Cabreúva. Com um histórico de sete mandatos de governador e oito de prefeito, a construção nunca foi concluída.

Atualmente, é apenas mais um empreendimento inacabado que sofre com ações do tempo e depredações. As paredes estão pichadas com palavrões e ataques a políticos. Ao longo dos anos, o local também tem servido de abrigo para moradores de rua e usuários de drogas. Estima-se que a obra tenha consumido R$ 10 milhões.

Veja Também