Campo Grande •18 de Fevereiro de 2018  • Ano 7
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner Águas Guariroba - Campanha Águas Faz Mais

Da redação | Segunda, 26 de Dezembro de 2016 - 15h10Nas águas pantaneiras, uma viagem à história do BrasilProjeto destaca relevância da Rota das Monções para a cultura do Estado

(Foto: Cid Nogueira/Divulgação/Governo de MS)

Uma viagem ao folclore e à história do Brasil e da América do Sul em meio às águas pantaneiras. Assim pode ser definido o I Seminário Regional do Folclore Monçoeiro da Rota Norte de Mato Grosso do Sul, evento realizado neste mês dezembro com recursos do Governo do Estado por meio do FIC – Fundo de Investimentos Culturais de Mato Grosso do Sul.

O evento teve início com uma palestra de boas-vindas realizada na Pousada Paraíso, em Rio Verde de MT, onde cerca de 150 pessoas, envolvendo autoridades, gestores públicos e privados de cultura, turismo e meio ambiente, além de acadêmicos da UFMS, UEMS e estudantes do ITF de Coxim, discutiram a temática e assistiram a performances artístico-culturais da Trupe Monçoeira, grupo de artistas da região.

No dia seguinte, teve início a expedição de reconstituição de trajetos terrestres e fluviais passando por sítios históricos e comunidades de ex-garimpeiros artesanais, ocasião em que os participantes puderam trocar experiências e conhecer as atividades desenvolvidas por eles.

Ariel Albrech, proponente e executor do projeto, explica que o evento tem vários objetivos que perpassam o conhecimento e divulgação da história, cultura e folclore, mas também a possibilidade gerar rendas alternativas por meio do turismo de base comunitária, que envolve hospedagem e alimentação nas casas dos moradores e alimentação slow food, possibilitando experiências de convívio pleno e conhecimento do modo de vida simples dos pescadores e pequenos produtores rurais.

Para o secretário de Estado de Cultura, Turismo, Empreendedorismo e Inovação, Athayde Nery, o evento reforça as potencialidades turísticas e culturais da região turística Rota Norte MS, além de enfatizar e valorizar a economia local:

“Reviver essa epopeia vivida por brasileiros e portugueses há mais de 300 anos é uma honra. É um dos momentos mais importantes da história de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul e do Brasil. Parabenizo toda a equipe juntamente com as administrações de Coxim e Rio Verde por realizar e resgatar a história de MS e do Brasil da Rota das Monções. Esse é um roteiro que deve ser consolidado como parte integrante da economia criativa, do turismo, da cultura, e do enaltecimento do Pantanal. Vamos continuar descobrindo mais o nosso Estado!”

Para a gestora ambiental Mariana Chrispim, professora da UEMS no campus de Coxim, participar do evento foi uma experiência incrível: “Conhecemos muito sobre a cultura regional e passeamos pelos rios Coxim, Jauru e Taquari. Foi uma aula de história, através de apresentações artísticas musicais e poemas, fizemos visita aos garimpos, trilhas pela natureza, e visitas a sítios arqueológicos. Admiro muito como essas pessoas valorizam e preservam sua cultura, isso é excelente! Entendi como funciona o turismo de base comunitária, e é uma iniciativa muito interessante de promover desenvolvimento sustentável, gerando renda para populações locais e preservando o meio ambiente. Foi uma grande aventura, passando por corredeiras nos rios, tomando banho de cachoeira, colhendo e comendo frutas das árvores, observando o nascer e pôr do sol, paisagens de relevo espetaculares, muitas araras e até um tuiuiú ao final do passeio“.

Além do secretário Athayde Nery, participaram do evento o superintendente de Turismo da Sectei, Matheus Dauzacker; a superintendente de Cultura e Economia Criativa, Cláudia Medeiros, o superintendente do FIC, Ricardo Maia, o coordenador técnico do Cointa, Nilo Peçanha, além de autoridades municipais de Rio Verde, Coxim, e representantes do Instituto Federal de Coxim, UEMS, Unopar e UFMS.

Rota das Monções - As monções foram um movimento migratório histórico fundamental na consolidação da fronteira oeste do Brasil e na criação da identidade cultural regional. Tratava-se de expedições fluviais realizadas ao longo dos séculos XI ao XIX, pós-entradas das bandeiras, que tinham a função de transportar pessoas, alimentos, víveres, armamentos, especiarias, cargas em geral e principalmente ouro entre Porto Feliz (SP) e Cuiabá (MT) e vice-versa.

Essas expedições duravam de quatro a seis meses dependendo da estação do ano e eram verdadeiras epopeias, pois os viajantes, além de enfrentar intempéries, tinham de se proteger de povos nativos hostis, insetos e animais ferais, além de passarem por situações dificílimas de navegação, em uma época em que não havia motores e outros adventos tecnológicos.

Desde os anos 1990, um grupo de empresários e entusiastas da história e da cultura regional dos municípios da Rota Norte MS se uniu e passou a realizar eventos alusivos ao tema, criando até um roteiro turístico que vem recebendo anualmente cada vez mais turistas estrangeiros, tendo como grande momento os jogos olímpicos e para-olímpicos de 2016, quando mais de uma centena de turistas europeus visitaram a região.

Veja Também
Sábado, 17 de Fevereiro de 2018 - 16h37Mãe que está presa com bebê consegue HC Justiça concede habeas corpus a mulher que deu a luz logo após prisão
Sindicalistas protestam contra reforma previdenciária
MS pode receber venezuelanos
MS não teve casos de febre amarela
Prefeitura entrega obra de escola que estava parada
Hora de atrasar o relógio
Sábado, 17 de Fevereiro de 2018 - 06h25Chuva e muito sol Na parte da tarde as temperaturas permanecem altas
MEC prorroga prazo para adesão do Programa Mais Alfabetização
Aberta licitação para revitalizar Rua 14 de Julho
Horário de verão termina à meia-noite do sábado (17)
Square notícia uci
Vídeos
Diário Digital no Facebook
DothNews
DothShop
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2018 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento