Campo Grande •17 de Fevereiro de 2018  • Ano 7
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner Águas Guariroba - Campanha Águas Faz Mais

Larissa Mendes, especial para o Diário Digital | Sexta, 11 de Novembro de 2016 - 11h15Na onda do Fora TemerDiversas entidades participam de protesto contra as propostas do atual governo

Mais de mil manifestantes ocuparam a Praça do Rádio Clube.
Mais de mil manifestantes ocuparam a Praça do Rádio Clube. (Foto: Larissa Mendes, especial para o Diário Digita)

Contra os atuais projetos do governo Temer, como o  teto dos gastos públicos, a renegociação das dívidas dos Estados com a União e as reformas Ensino Médio e da Previdência Social, mais de mil manifestantes, de várias entidades participam de uma ‘greve geral’ na manhã desta sexta-feira, 11.

Já a partir das 8h, começaram a chegar na praça do Rádio Clube, os primeiros manifestantes ligados aos sindicatos e movimentos sociais de diversas categorias.  Segundo o presidente da Central Única dos Trabalhadores de Mato Grosso do Sul – Cut, Genivaldo Duarte, ao todo, 8 mil trabalhadores estão paralizados na Capital e 30 mil em todo o estado. 

“Fica Complicado defender uma proposta que não tem participação da população. Isso é retrocesso e temos que mostrar para população do que se trata”, relata Lucílio Souza Nobre, presidente do Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação – ACP.  Mais de 6 mil professores paralisaram.

“Se hoje os recursos que são passados para a saúde e educação já são insuficientes, imagina como vai ser nos próximos 20 anos, muito pior”, diz a presidente do Sindicato dos Professores das Universidades Federais no Mato Grosso do Sul – ADUFMS, Mariuza Guimarães. 

A União da Juventude Comunista – UJC entende que as Pec são um retrocesso e que beneficiam somente os mais ricos e latifundiários. “Várias coisas vão acontecer de ruim, a classe trabalhadora, como sempre, é a que mais vai ser afetada. Precisamos nos levantar e ocupar tudo, não só um dia, mas sempre. Além disso, temos que alcançar a classe trabalhadora e mostrar a realidade que são essas propostas”, relata a estudante de fisioterapia, Danielle Oliveira, participante do movimento UJC. 

“Essas medida provisórias desconstrói o que entendemos por democracia. Tudo se pensa e é decidido na surdina, sem que o povo possa efetivamente participar dessas decisões. O país está lentamente congelando. “ desabafa a arte Educadora, Lourdelice Moraes.  

O protesto irá ocorrer até 12h, as 14h todos vão se reunir em uma mesa redonda no anfiteatro de Multiuso na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, para discutir a nova reforma curricular do Ensino Médio. 

Veja Também
Sábado, 17 de Fevereiro de 2018 - 16h37Mãe que está presa com bebê consegue HC Justiça concede habeas corpus a mulher que deu a luz logo após prisão
Sindicalistas protestam contra reforma previdenciária
MS pode receber venezuelanos
MS não teve casos de febre amarela
Prefeitura entrega obra de escola que estava parada
Hora de atrasar o relógio
Sábado, 17 de Fevereiro de 2018 - 06h25Chuva e muito sol Na parte da tarde as temperaturas permanecem altas
MEC prorroga prazo para adesão do Programa Mais Alfabetização
Aberta licitação para revitalizar Rua 14 de Julho
Horário de verão termina à meia-noite do sábado (17)
Square notícias UCI 2018
Vídeos
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2018 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento