Campo Grande •23 de Novembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner Governo - Governo Presente - Matrícula

Larissa Mendes, especial para o Diário Digital | Sexta, 11 de Novembro de 2016 - 11h15Na onda do Fora TemerDiversas entidades participam de protesto contra as propostas do atual governo

Mais de mil manifestantes ocuparam a Praça do Rádio Clube.
Mais de mil manifestantes ocuparam a Praça do Rádio Clube. (Foto: Larissa Mendes, especial para o Diário Digita)

Contra os atuais projetos do governo Temer, como o  teto dos gastos públicos, a renegociação das dívidas dos Estados com a União e as reformas Ensino Médio e da Previdência Social, mais de mil manifestantes, de várias entidades participam de uma ‘greve geral’ na manhã desta sexta-feira, 11.

Já a partir das 8h, começaram a chegar na praça do Rádio Clube, os primeiros manifestantes ligados aos sindicatos e movimentos sociais de diversas categorias.  Segundo o presidente da Central Única dos Trabalhadores de Mato Grosso do Sul – Cut, Genivaldo Duarte, ao todo, 8 mil trabalhadores estão paralizados na Capital e 30 mil em todo o estado. 

“Fica Complicado defender uma proposta que não tem participação da população. Isso é retrocesso e temos que mostrar para população do que se trata”, relata Lucílio Souza Nobre, presidente do Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação – ACP.  Mais de 6 mil professores paralisaram.

“Se hoje os recursos que são passados para a saúde e educação já são insuficientes, imagina como vai ser nos próximos 20 anos, muito pior”, diz a presidente do Sindicato dos Professores das Universidades Federais no Mato Grosso do Sul – ADUFMS, Mariuza Guimarães. 

A União da Juventude Comunista – UJC entende que as Pec são um retrocesso e que beneficiam somente os mais ricos e latifundiários. “Várias coisas vão acontecer de ruim, a classe trabalhadora, como sempre, é a que mais vai ser afetada. Precisamos nos levantar e ocupar tudo, não só um dia, mas sempre. Além disso, temos que alcançar a classe trabalhadora e mostrar a realidade que são essas propostas”, relata a estudante de fisioterapia, Danielle Oliveira, participante do movimento UJC. 

“Essas medida provisórias desconstrói o que entendemos por democracia. Tudo se pensa e é decidido na surdina, sem que o povo possa efetivamente participar dessas decisões. O país está lentamente congelando. “ desabafa a arte Educadora, Lourdelice Moraes.  

O protesto irá ocorrer até 12h, as 14h todos vão se reunir em uma mesa redonda no anfiteatro de Multiuso na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, para discutir a nova reforma curricular do Ensino Médio. 

Veja Também
No 1º Júri da história de Figueirão, réu é condenado por homicídio
Anatel registra queda nas reclamações contra empresas de telecomunicação
Inscrições para residência médica do HU-UFGD encerram-se sexta-feira
Submarino desaparecido está em fase
Carreta da Justiça realiza 1º Júri da história da comarca de Figueirão
Parada LGBT será realizada neste sábado na Capital
Quarta, 22 de Novembro de 2017 - 12h54Atenção motoristas: BR-163/MS passa por obras da CCR MSVia Em caso de chuva, as obras poderão ser interrompidas
Mega-Sena acumulada pode pagar prêmio de R$ 50 milhões nesta quarta
Programa Saúde do Homem e da Mulher Rural do Senar chega a Figueirão
Governo rescinde contrato com empresa que iniciou Aquário do Pantanal
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
Rec banner - Patio central
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento