Menu
20 de julho de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Mega banner  Ministério  da Saúde - HEPATITE VACINAÇÃO E TESTE
Páscoa

Movimento cresce no Mercadão

Segundo informações mais de 7.000 pessoas visitaram o estabelecimento ontem

18 Abr2019Mara Machado - Especial para o Diário Digital12h42
(Foto: Luciano Muta)
  • Para o proprietário da peixaria do Mercado Municipal, Cleuber Linares, o aumento é de 60% comparado ao movimento nos dias normais
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)

Véspera da sexta-feira Santa, aumenta o movimento no mais tradicional ponto de venda em Campo Grande.  Os valores variam entre os ingredientes essenciais nas receitas desse período.  O peixe, por exemplo, principal prato do cardápio na tradição católica varia conforme a espécie. Na promoção, está o filé de bacalhau com preço de R$34,90 o quilo e o filé de salmão com R$59,90. De acordo com o proprietário e sócio da única peixaria do Mercado Municipal, Cleuber Linares, o aumento é de 60% comparado ao movimento nos dias normais. Os que mais vendem neste período, são o pacu e o pintado.  Ele informou também que durante o feriado, o horário de funcionamento também aumenta, amanhã inclusive o estabelecimento estará aberto das 6h da manhã até ao 12h. Para a engenheira ambiental, Danielle de Souza, nessas datas os preços aumentam, mas é o prato da vez, inclusive para as pessoas que não são católicas.

De acordo com a comerciante Elizalda Bezerra, os preços estão “salgados”, mas não tem jeito, o peixe faz parte da tradição religiosa. Já o empresário Cleuber Linares, que acompanhou a família nos negócios e continua a tradição com os irmãos, o aumento da venda do peixe é de 2% a 5% em relação ao ano anterior e os principais dias de venda são hoje e amanhã. Além disso, ele falou que os preços este ano estão melhores, por exemplo, peixe recheado sem espinho o ano passado estava à R$ 32,90 o quilo, nesse ano está R$ 29,90.

Em relação aos ingredientes da sopa paraguaia e a chipa, o movimento é grande também. O fubá saboró é um destaque nas vendas e usada na sopa tradicional da capital. Para a comerciante Glória Maria que trabalha no Box à 14 anos, o aumento da venda ocorre, mas a tradição de fazer as receitas tradicionais não ocorre com tanta frequência pelos mais jovens.

No Box de Paulo Roberto Gomes, a venda exclusiva é de queijo. De acordo com ele, que trabalha a 29 anos no Mercado Municipal, os principais queijos vendidos são o “curado” utilizado na sopa e chipa, os preços e o número de vendas estão próximos do ano passado também.  O “queijo cural” por exemplo está R$23,90, enquanto o ralado R$17,90. Luiza Shirata, comenta que faz chipa e compra os queijos nestas datas.

Segundo informações do assessor administrativo, Daniel Amaral, 5.000 pessoas vão até o Mercado Municipal nos dias normais, sem feriados, mas ontem, foram registrados mais de 7.000 pessoas. O estabelecimento funciona desde 30 de setembro de 1958.

Veja Também