Menu
18 de junho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Paralisação

Motoristas do transporte coletivo paralisam

Retorno está previsto para ás 7 horas

15 Mar2017Elaine Silva - Especial para Diário Digital06h55
Ônibus voltaram após três horas paralisados (Foto: Luciano Muta)
  • Alguma pessoas esperaram 4 horas pelos coletivos
  • Ônibus voltaram após três horas paralisados (Foto: Luciano Muta)
  • Presidente do sindicato dos transporte coletivo (FOTO:Luciano Muta)
  • Presidente do sindicato dos caminhoneiros (FOTO:Luciano Muta)

Desde ás 4h da madrugada de hoje (15), trabalhadores ficaram nos pontos esperando, sendo que muitos contaram com caronas amiga, Táxi, Uber e Moto-Táxi, para chegar ao seu destino, por conta da paralisação dos motoristas do transporte coletivo.  

Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Transporte Coletivo, Demitrio Ferreira de Freitas,foi decidido ontem, por meio de uma comissão, aderir à movimentação, prevendo um inicio para as 4 h da manhã e termino as 7h, porém em uma forma de juntar forças, por volta das 7h40 representantes dos sindicatos se deslocaram até a Praça Ary Coelho, se juntando com os professores, sendo que por volta das 8h o transporte coletivo voltou a  circular normalmente.

Entre o movimento estava presente o presidente do sindicado dos caminhoneiros, Raimundo Nonato, oferecendo apoio à luta dos trabalhadores. “Em conversa decidimos, continuar rodando normalmente, porém vamos oferecer nosso apoio”, afirma Nonato.

Já o presidente da Federação dos Trabalhadores na Construção Civil e do Mobiliário e Montagem Industrial do Estado do MS (Fetricom-MS) Webergton Sudario, relata que está acontecendo a morte da aposentaria. “Para um burocrata é impossível ele avaliar o tempo de serviço de uma pessoa. Não aceitamos isso, estamos buscando apoio dos deputados federais e vamos continuar, até que eles veja que a população não está quebrada e não vamos aceitar”, afirma o Sudario.

Durante o período de 4 horas a greve movimentou cerca de 800 trabalhadores do transporte coletivo, além de indígenas da cidade de Sidrolândia, que se locomoveram juntamente para lutar contra a Reforma da Previdência. Na praça Ary Coelho, eles se juntaram com cerca de 5 mil professores pretende ter varias atividades durante todo o dia.   

Veja Também

Prefeitura entrega cobertores para famílias carentes da Capital
Seja Digital intensifica agendamentos nos CRAS  a partir de segunda
Entidades de classe defendem Plano Diretor da Capital
Comissão aprova vacinação obrigatória e gratuita contra leishmaniose
Curso orienta sobre alimentação e não desperdício de alimentos
Limpeza em lagoa resulta na retirada de 50 sacos de lixo
Incêndio destrói depósito de recicláveis
Portugal libera uso da maconha para fins medicinais
Médico lança 'Dicionário de Saúde e Segurança do Trabalhador'
Obras e projetos anunciados para a Capital