Menu
25 de abril de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Super Banner SEGOV - VALE UNIVERDADE
Saúde Pública

"Tia Eva" teme ficar sem UBSF

Após 15 anos de atendimentos o possível fechamento assusta moradores

10 Nov2018Especial para o Diário Digital - Suellen Lands07h00
(Foto: Luciano Muta)
  • Moradores podem ter que andar mais de 2 km para receber atendimento
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)
  • (Foto: Luciano Muta)

Temendo o fim da unidade de saúde os moradores da Comunidade Tia Eva, umas das mais antigas de Campo Grande estão se mobilizando para impedir o fechamento da unidade. A UBSF São Benedito foi inaugurada em 2003, na época a Prefeitura alugou a casa para o seu funcionamento de modo temporário, o tempo foi passando e já faz 15 anos que ela funciona no mesmo lugar.

O contrato de locação do imóvel vence no mês de dezembro e segundo os moradores a Secretaria Municipal de Saúde não vai renovar o contrato, e todos os pacientes que são atendidos na unidade terão que buscar atendimento na UBSF do Jardim Paradiso, que fica a 2 km de distância.

O Presidente da Associação dos Descendentes Quilombolas da Comunidade Tia Eva Eurides Antônio da Silva disse que “O posto de saúde faz cerca de 3.000 mil atendimentos por mês e todos os moradores não querem que a unidade seja fechada, pois atende sete bairros do entorno, e também por conta da facilidade e comodidade para os idosos, gestantes e pais com crianças pequenas”. Ainda de acordo com ele o posto precisa de uma reforma se for preciso a comunidade está disposta a fazer um bingo para arrecadar fundos para realizar as mudanças necessárias.  

Lucimeire Soares Rocha Figueiredo Presidente da  Associação de Moradores do Bairro disse que, “O aluguel custa R$150 mil reais por ano e que o proprietário está disposto a vender o imóvel, mas a prefeitura não manifesta nenhum desejo em efetuar a compra”.

Dona Jeronima Borges da Silva de 84 anos, mora no bairro há 20 anos antes mesmo da UBSF existir, logo quando mudou para o bairro era mais jovem e era atendida no posto do Coronel Antonino. Com a chegada do posto São Benedito tudo ficou mais fácil. Hoje, é idosa tem problemas no joelho, artrite, artrose e pressão alta, sempre que tem mal estar, vai ao postinho e é muito bem atendida. Ela também afirma “Com a mudança  para ir na nova unidade o caminho será muito longo e doloroso, pois tenho problemas nos joelhos. Agora peço à Deus que o nosso postinho São Benedito não feche”.

Até o fechamento desta matéria não obtivemos retorno da Prefeitura.

Veja Também

Tabela do frete é reajustada em 4,13%
Bairro sem estrutura sofre em dia chuvoso
Previsão para Capital é pancadas de chuva até domingo
Proposta amplia atendimento preferencial nas agências bancárias
Após denúncia via WhatsApp, Procon deflagra fiscalização
Bolsonaro extingue horário de verão
Confira escala médica das UPAs e CRSs nesta quinta-feira
Ação cumpre mandados em Dourados contra retenção de cartões de indígenas
Clima Muito sol e sem chuva Temperatura pode chegar aos 33°C
Cassems realiza ação gratuita de combate à hipertensão arterial nesta sexta