Campo Grande •23 de Setembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner Governo -  MS Desenvolve

Da redação | Sábado, 5 de Novembro de 2016 - 08h41Fazendeiro desvia córrego, provoca erosões e destrói matasPMA autua pecuarista em R$ 136,1 mil por provocar crime ambiental

Fazendeiro pode ter provocado danos irreverssíveis a natureza
Fazendeiro pode ter provocado danos irreverssíveis a natureza (Foto: Divulgação/PMA)

Policiais Militares Ambientais de Mundo Novo realizavam fiscalização ambiental em duas propriedades rurais do município de Eldorado, pertencentes a um mesmo dono e autuaram ontem (4) à tarde, o proprietário rural, de 76 anos, por diversas degradações ambientais. 

Na primeira propriedade vistoriada, os policiais verificaram que o infrator construiu na propriedade uma valeta de 1 km linear, desviando um córrego. A valeta passava por dentro da área protegida de reserva legal da propriedade, sendo derrubada  a vegetação, dentre ela, diversas árvores de grande porte. Além disso, com as chuvas, houve erosão do valetamento, ocasionando assoreamento do córrego. Ao todo foram degradados 10 hectares de área protegida de preservação permanente (APP) de matas ciliares do córrego e mais 10 hectares de reserva legal.

Na outra propriedade, localizada a 30 km da primeira, a PMA verificou que o fazendeiro não cercava uma área de 2 hectares de nascentes e o pisoteamento do gado degradava essa área protegida por lei, como de preservação permanente (APP). Também foram encontradas na sede da propriedade 400 estacas de madeira da espécie Guarita, sem autorização ambiental. Todas as atividades foram paralisadas e a madeira apreendida.

 O fazendeiro, residente em Eldorado foi autuado administrativamente e multado em R$ 134.000,00 pelo desvio do córrego e degradação das áreas protegidas e em mais R$ 2.100,00, pelo armazenamento da madeira ilegal.

O autuado também responderá por crime ambiental de degradação de área de preservação permanente (APP). A pena para este crime é de um a três anos de detenção. Também responderá pelo armazenamento ilegal da madeira, que tem pena prevista de seis meses a um ano de detenção. Ele foi notificado a apresentar junto ao órgão Ambiental Estadual um plano de recuperação da área degradada (PRADE).

Veja Também
Trump pagará muito caro por ameaças, diz líder norte-coreano
Primavera será quente, mas trará chuvas ao Estado
Centenas são atendidas em comemoração ao Dia do Marca-passo
Óleo de cozinha usado pode ser deixado em mercados
Conselho recorre de decisão que libera psicólogos a oferecer reorientação sexual
Agências bancárias na Capital são autuadas por demora em fila
Lei proíbe uso de capacete em locais abertos ao público
Sexta, 22 de Setembro de 2017 - 12h06CCR MSVia destaca operações pare-e-siga na BR-163/MS Em caso de chuvas as obras poderão ser suspensas, retornando tão logo elas cessem
Sexta, 22 de Setembro de 2017 - 11h24Prefeitura abre processo seletivo simplificado para serviços em cemitérios públicos Inscrições começam na próxima segunda-feira (25.09)
Decreto presidencial prorroga concessões de usinas hidrelétricas
Square Noticias UCDB
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento