Menu
19 de maio de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Saúde

Maternidade inicia Projeto Coala para reduzir complicações em recém-nascidos

Projeto consiste em controlar a oferta indiscriminada de oxigênio, evitando o excesso ou a falta do gás nos tecidos

6 Dez2018Da redação15h18

Com o objetivo de reduzir complicações graves e até mesmo a   mortalidade infantil e garantir a humanização aplicada à mulher e ao recém-nascido, a Maternidade Cândido Mariano tem realizado vários   projetos relacionados às boas práticas para as mães e os bebês. O Projeto Coala, nome abreviado de “Controlando o Oxigênio Alvo Ativamente” é um deles e consiste em controlar a oferta indiscriminada  de oxigênio, evitando de forma ativa o excesso ou a falta do gás nos tecidos e órgãos de prematuros extremos.

O uso do oxigênio no período neonatal, embora necessário para o  suporte da vida em diversas patologias, pode ser potencialmente tóxico  em vários tecidos e órgãos, especialmente nos prematuros extremos. “É  um gás que funciona como uma medicação para o humano e quando ele falta acontece a chamada hipóxia”, explica Mércia Nantes, coordenadora do setor de fisioterapia da Maternidade Cândido Mariano.

“Já excesso de co2 pode causar aumento do tempo de internação,   enterocolite necrosante, aumenta a displasia broncopulmonar,  retinopatia da prematuridade, lesão no desenvolvimento cerebral, lesão  do DNA, colapso alveolar e atelectasia e redução da contratilidade do miocárdio”, ressalta Jaqueline Figueiredo, coordenadora do setor de enfermagem da maternidade.

Segundo os estudos realizados pela equipe do Projeto Coala, se o   nível de oxigênio está acima de 96 caracteriza excesso. “Se está abaixo de 95, o recém-nascido está recebendo menos do que precisa. O  ideal é manter o nível por meio do monitor, que fica acoplado no bebê,  para o profissional acompanhar a saturação. Assim se consegue diminuir as lesões cerebrais, como o risco de enterocolite, retinopatia e  atelectasia” acrescenta Jaqueline Figueiredo.

Desenvolvido por um grupo de profissionais que trabalha em neonatologia, como enfermeiros, médicos, fisioterapeutas e cardiologistas, o Projeto Coala possui quatro fases que estão sendo  implantadas em todo o país. “Acontece também a discussão do projeto e  publicação de artigos. Eles propuseram no mês de outubro a implantação  em nível nacional e já são 140 UTIs Neonatais inscritas”, afirma Mércia Nantes.

“Na Maternidade Cândido Mariano o projeto está na primeira etapa,  que é implantação e treinamento das equipes. A segunda etapa tem o  nome de “lidando com frustrações”, que é a dificuldade de aceitação ou  resistência das profissionais por conta da mudança de rotina e de  ajustes de alarmes que acaba demandando mais trabalho”, complementa a  coordenadora do setor de fisioterapia da maternidade.

Já terceira etapa consiste no estudo dos indicadores que mostram a  melhoria no tempo de internação do recém-nascido e quais as complicações que eles não tiveram devido a prematurirade.  Por último,  a fase final ou quarta etapa, é caracterizada pela educação  continuada. Na Maternidade Cândido Mariano, o Projeto Coala também é  coordenado pela gerente de fisioterapia Tatiana de Lima Leme e pela Dra. neonatologista Maria Claudia Rosseti, chefe da UTI Neonatal.

De acordo com as coordenadoras, os benefícios do Projeto Coala  também são econômicos. “Oxigênio é um gás caro, então, ao fazer esse  desmame precoce o recém-nascido fica em ar ambiente mais cedo, diminuindo o custo pelo uso do oxigênio para o hospital”, finaliza Jaqueline Figueiredo, coordenadora do setor de enfermagem da  Maternidade Cândido Mariano.

Maternidade Cândido Mariano -   A Maternidade Cândido Mariano, localizada em Campo Grande, é referência nacional em Ginecologia obstetrícia e UTI Neonatal. Há 80 anos, faz parte do momento mais importante na vida dos  sul-mato-grossenses, que é o nascimento. Sua meta é o cuidado com excelência, modernização e segurança, além do compromisso com o bem-estar de todos que procuram a instituição.

Veja Também

Agendamento online para castrar felinos começa nesta segunda
Famílias são notificadas para deixar área pública
Justiça tenta acordo sobre Rio da Prata
Meta para 2020 é construir 500 mil casas populares, diz Onyx
'Cidade do Natal' ganhará novo visual
Agepan busca solução para melhorar transporte em Ladário
Hospital de Ponta Porã realizou 60 cirurgias ortopédicas
Presidiários recebem curso de Primeiros Socorros da Agepen e Cruz Vermelha
Distribuição de remédios no País será normalizada, diz ministério
Prefeitura realiza projeto de valorização da cultura indígena