Menu
23 de janeiro de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Assistência

Mãe pede socorro para manter família

Dona Anatalina mora com mais 5 pessoas em um barraco improvisado

23 Jul2019Adeline Bacelar16h59
(Foto: Marco Miatelo)
  • Dona Anatalia e o filho Fábio em frente à casa improvisada no Noroeste.
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

Anatalina Joceleides do Prado, tem 39 anos e dois filhos sob sua responsabilidade, um rapaz de 19 anos que está doente e uma bebê de apenas 1 ano. Além deles, moram num quarto ao lado, outro filho com a esposa e um neto de Anatalina.

Num barraco improvisado, feito com doação de tábuas dos vizinhos, eles sobrevivem em uma rua no bairro Jardim Noroeste, em Campo Grande.

Ela está desempregada e virou catadora de reciclagem para ter uma renda. Mas a situação difícil ficou ainda pior quando o filho de 19 anos, Fábio, ficou acamado um mês atrás. "Eu morava com minha mãe, mas quando ele  adoeceu vim cuidar dele aqui e nós não temos nada. A gente vai se virando como pode. Os vizinhos ajudaram com as tábuas pra fazer esse quartinho, ganhei um fogão na reciclagem e não temos nem comida", conta.

A mãe descreve a dificuldade até mesmo para fazer o retorno médico com Fábio, que está com pontos cirúrgicos no braço, na perna e na cabeça. 

"O médico disse que ele não pode sair da cadeira por pelo menos 4 meses. Mas era ele que me ajudava na reciclagem. E agora eu também não posso sair, por que tenho que cuidar dele", explica Anatalina.

Por enquanto o filho mais velho e a nora estão auxiliando a família, mas passam a dificuldade em alimentar todas as 6 pessoas diariamente. Por conta dessa situação, dona Anatalina pede doações de materiais de construção, de móveis, já que eles tem apenas um fogão e um colchão e até mesmo alimentos.

"Não tenho nada mesmo, qualquer ajuda será bem-vinda. Não tenho panela pra cozinhar no fogão, botijão de gás e não tenho nem comida", solicita a mãe.

Quem puder colaborar com a família da dona Anatalina é só entrar em contato com ela pelo telefone (67) 9 9165-2893.

Veja Também

Doe. Não dói.
Mesmo com chuva, campanha contra dengue segue firme em Três Lagoas
Em ação contra a dengue, Ecoponto abre as portas no domingo
Preço do gás de cozinha varia de R$ 68 a R$ 83 em Dourados
Moradores de Corumbá e Dourados recebem serviços da Energisa
Senai e OCB assinam convênio para oferecer cursos de qualificação
Prazo para o PAAM encerra sexta-feira em Corumbá
Em época de matrículas, UFGD faz campanha contra o trote
Familiares denunciam tortura contra presos recapturados em Pedro Juan
Ação reduz turvamento das águas dos rios após chuvas