Menu
26 de agosto de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Geral

Liderança feminina na gestão de negócios é debatida no Papo de Mulher

Iniciativa do SRCG contou com apoio do Sicredi e Sebrae

12 Ago2019Da redação12h20

Destaque em vários segmentos, as mulheres ainda enfrentam algumas dificuldades ao ocuparem cargos de liderança no agronegócio.

Os desafios, experiências e perspectivas sobre o espaço da mulher no setor foram debatidos na última sexta-feira (09) no Papo de Mulher, iniciativa do SRCG (Sindicato Rural de Campo Grande, Rochedo e Corguinho) realizado com apoio do Sicredi e Sebrae/MS.

Mediado pela jornalista Luciana Gabas, o encontro cujo tema central foi “Desafio da mulher no cargo de Liderança”, contou com as participações da suinocultura e diretora do SRCG, Eleíza de Moraes Machado, a Natiele Krabbe da empresa Krabbe & Krabbe Agronegócios, da diretora Técnica do Sebrae MS Maristela de Oliveira França e da gerente de Negócios Agro da Sicredi União MS/TO e Oeste da Bahia Lucimara Morassute Rodrigues.

 

As mulheres podem contribuir muito como líder na gestão, principalmente nos negócios, por ser detalhista, o que é um diferencial e no mercado onde estou, lido com dinheiro de outras pessoas e essa visão detalhista é um diferencial. Importante destacar que o Sicredi valoriza a mulher e nos deixa à vontade para liderar”, exemplifica a gerente.

A convidada reforçou ainda a importância da mulher buscar sempre preparo e conhecimento para a área que busca atuar, em especial na gestão de negócios ou especificamente o agronegócio.

“Tenho pais que atuam na pecuária leiteira e nossa formação foi voltada a pensar diferente, de que podemos chegar onde quisermos, mas é importante se preparar para assumir a liderança. Em geral os homens são preparados e as mulheres não, por isso o preparo, a busca pela qualificação é importante”, finalizou Lucimara.

Produtora rural, jornalista e mediadora do bate-papo, Luciana Gabas reforçou o crescimento da mulher em cargos de liderança e vários segmentos até então denominados como masculinos, mas que no agro, esse crescimento ainda é lento e que iniciativas como esta visam estimular essa visão empreendedora.

“E outros setores, como construção civil e gestão de empresas as mulheres há algum tempo já ocupam altos cargos, mas no agronegócio não, elas estão limitadas, com menos espaço. Nossos encontros vêm para isso, para debater o protagonismo feminino, por isso ele foi pensado em horário e dia da semana mais confortável para essa rotina puxada das mulheres, que conciliam carreira, filhos e tantas funções”, pontuou.

 Destaque em vários segmentos, as mulheres ainda enfrentam algumas dificuldades ao ocuparem cargos de liderança no agronegócio.

Os desafios, experiências e perspectivas sobre o espaço da mulher no setor foram debatidos na última sexta-feira (09) no Papo de Mulher, iniciativa do SRCG (Sindicato Rural de Campo Grande, Rochedo e Corguinho) realizado com apoio do Sicredi e Sebrae/MS.

Mediado pela jornalista Luciana Gabas, o encontro cujo tema central foi “Desafio da mulher no cargo de Liderança”, contou com as participações da suinocultura e diretora do SRCG, Eleíza de Moraes Machado, a Natiele Krabbe da empresa Krabbe & Krabbe Agronegócios, da diretora Técnica do Sebrae MS Maristela de Oliveira França e da gerente de Negócios Agro da Sicredi União MS/TO e Oeste da Bahia Lucimara Morassute Rodrigues.

“As mulheres podem contribuir muito como líder na gestão, principalmente nos negócios, por ser detalhista, o que é um diferencial e no mercado onde estou, lido com dinheiro de outras pessoas e essa visão detalhista é um diferencial. Importante destacar que o Sicredi valoriza a mulher e nos deixa à vontade para liderar”, exemplifica a gerente.

A convidada reforçou ainda a importância da mulher buscar sempre preparo e conhecimento para a área que busca atuar, em especial na gestão de negócios ou especificamente o agronegócio.

“Tenho pais que atuam na pecuária leiteira e nossa formação foi voltada a pensar diferente, de que podemos chegar onde quisermos, mas é importante se preparar para assumir a liderança. Em geral os homens são preparados e as mulheres não, por isso o preparo, a busca pela qualificação é importante”, finalizou Lucimara.

Produtora rural, jornalista e mediadora do bate-papo, Luciana Gabas reforçou o crescimento da mulher em cargos de liderança e vários segmentos até então denominados como masculinos, mas que no agro, esse crescimento ainda é lento e que iniciativas como esta visam estimular essa visão empreendedora.

“E outros setores, como construção civil e gestão de empresas as mulheres há algum tempo já ocupam altos cargos, mas no agronegócio não, elas estão limitadas, com menos espaço. Nossos encontros vêm para isso, para debater o protagonismo feminino, por isso ele foi pensado em horário e dia da semana mais confortável para essa rotina puxada das mulheres, que conciliam carreira, filhos e tantas funções”, pontuou.

 

Veja Também

Câmara aprova projeto que amplia posse de arma em propriedade rural
Brasil tem superlotação carcerária de 166% e 1,5 mil mortes em presídios
Brasil conclui testes de soro inédito para picadas múltiplas de abelha
Até 2030, acidentes de trânsito serão a sétima maior causa de morte
Aprovado projeto que exige de agressor ressarcimento ao SUS
Bebê recebe nome do fundador de Campo Grande
Projeto define a quem idoso deve comprovar idade para ter passagem gratuita
Projeto facilita atendimento a pessoas com deficiência em órgãos públicos
Expedição revela novas imagens de deterioração do Titanic
Moro autoriza envio da Força Nacional para combater desmatamento