Campo Grande •18 de Novembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner Governo - Governo Presente - Matrícula

Elaine Silva - Especial para Diário Digital | Quinta, 16 de Março de 2017 - 09h38Falta de materiais e funcionários: Situação preocupante em Pronto Atendimento do HRFuncionários reclamam da falta de profissionais para cumprir as escalas

Profissionais pedem por mais trabalhardores
Profissionais pedem por mais trabalhardores (Foto: Luciano Muta)

Situação preocupante no Hospital Regional em Campo Grande, com superlotação, falta de materiais e número escasso de funcionários no Pronto Atendimento Médico (PAM). Isso porque, com o fechamento do Pronto Atendimento do Hospital Universitário, o número de atendimentos aumentou significativamente no HR. 

“Desde o fechamento do HU, chega pacientes aqui, não temos macas, cadeiras para acompanhantes e tem casos que os próprios pacientes tem segurar o soro, por falta de suporte. Na entrada existe uma faixa onde deixa claro o atendimento somente para pacientes encaminhados, mas eles chegam e não tem como deixar uma pessoa doente esperando”, afirma uma das técnicas de enfermagem que trabalham no hospital.

Hoje (16) o presidente do Sindicato dos Trabalhos em Seguridade Social (Sintss) da Capital, Ricardo Alexandre Correia Bueno, relata que há um tempo os trabalhadores já estavam reclamando do estado em que estão trabalhando, muitas vezes a escala não tem número suficiente para atender os funcionários. O sindicato está movendo uma ação para que possa ter uma maneira de contratar mais funcionários ou realizar concursos.

“Teve um caso que me falara ontem, um senhor chegou as 16h, pegou a senha 16 e só foi atendido as 22h”, relata Bueno. Para os funcionários é uma correria muitas vezes eles deixam o PAM, para atender os andares superiores.

Segundo Bueno a partir do dia 15 de todo mês, a situação piora  por conta  da lei que não permite que os funcionários realizem mais de uma certa quantidade de horas extras, assim como os funcionários já estão escasso a situação piora e todo dia sofrem agressão verbal das pessoas, por conta do atendimento e o direto do hospital já esta ciente de toda a situação que os funcionários estão enfrentando. “Não tem pessoas, para completar as escalas, são cerca de 26 pessoas para completar a escala, mas sempre trabalhamos com duas ou três pessoas a menos”, relata os funcionários.  Uma reunião será realizada está manhã (15) com os sindicalistas, para ser decido as medidas melhorar as condições de trabalho.

O HU teve o PAM e a maternidade reabertos nesta quarta-feira (15). Sendo que a reabertura dos setores foi possível porque a superintendente do HU, Andréia Antoniolli, e o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, assinaram a contratualização para aumentar o repasse de recursos financeiros para o Hospital Universitário em R$ 1 milhão mensais, sendo R$ 700 mil do governo municipal e R$ 300 mil do governo estadual.

Veja Também
Fazendeiro é multado por armazenar combustível ilegalmente
Saúde mobiliza ações de combate à dengue em aldeia indígena
Pecuarista é multado por desmatamento ilegal de vegetação nativa
PMA multa dono de restaurante e apreende 76 kg de pescado ilegal
TSE pede que governo mude início do horário de verão de 2018
Ao tentar furar bloqueio do Exército no Rio, dois homens são mortos
Em Três Lagoas, prefeitura remove e substitui árvores condenadas
OAB/MS realiza fórum para debater Segurança Pública será dia 23
Torneio Solidário dos Amigos fecha calendário de futebol de Três Lagoas
Plano de manejo vai reestruturar região de usina abandonada
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
Rec banner - Patio central
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento