Menu
19 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner ALMS - Parlamento Jovem
Saúde Pública

Início da temporada de chuva reforça urgência de vacinação contra dengue

Mato Grosso do Sul já registra 17 mortes no ano por causa do mosquito da Dengue

12 Set2016Marcos Tenório, em colaboração com o Diário Digital18h00

A primavera vem aí, e com ela vem o início da temporada de chuvas no Brasil. A mudança de estação traz o cenário ideal para o acúmulo de águas, contribuindo com a proliferação de doenças, como a leptospirose, transmitida por ratos; e da dengue, cujo transmissor é o mosquito Aedes aegypti.

Já foram notificados quase 1,5 milhão de casos de dengue no Brasil só este ano, com cerca de 500 mortes. O número de casos tende a crescer muito mais com a chegada da chuva prevista para o Sudeste e Centro-Oeste a partir deste mês.

A população tem que ficar atenta e não deixar água retida em vasos, poças d’água, pneus, garrafas, potes e caixas d’água aberta porque isso atrai o mosquito transmissor da dengue. O que muitos não sabem é que os ovos do mosquito são capazes de resistir em áreas secas por até um ano, por isso que limpar bem o local onde foi encontrado o foco do mosquito.

A dengue é considerada um problema de saúde pública pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O Brasil é um dos países mais atingidos no mundo e, somente, em 2015, mais de 1, 6 milhão de casos foram registrados. A doença causa febre, dores generalizadas e, em casos graves, pode levar à morte. No ano passado, a média foi de dois óbitos por dia no Brasil.

O Brasil é um dos primeiros países do mundo a contar com a imunização, que contribui com a redução do número de casos de dengue na população. Há vários estudos mostrando que, quem se vacina, além de se proteger, reduz as chances de transmissão da doença para outras pessoas. No caso da dengue, a imunização contra a doença também ajuda a interromper o ciclo de transmissão da doença pelo mosquito Aedes aegypti.

No Brasil, a vacina é indicada para pessoas entre 9 e 45 anos, com três doses, e intervalos de 6 meses entre elas. Atualmente ela está disponível na rede particular, em clínicas de vacinação de todo País, e gratuitamente na rede pública de 30 cidades do Paraná.

Veja Também