Menu
16 de agosto de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner 2 SEGOV - Campanha Hepatite
População Ativa

Industria é interditada após denúncia de consumidora

Mercadoria produzida era imprópria para consumo graças à condição sanitária insalubre do local

14 Jun2018Da redação18h02
(Foto:Divulgação)
  • Roupas amontoadas, falta de limpeza de equipamentos, má conservação de ferramentas e produtos, tudo isso acarretou na interdição da empresa
  • (Foto:Divulgação)
  • (Foto:Divulgação)
  • (Foto:Divulgação)
  • (Foto:Divulgação)
  • (Foto:Divulgação)
  • (Foto:Divulgação)
  • (Foto:Divulgação)
  • (Foto:Divulgação)

A Subsecretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon Campo Grande), em parceria com a Vigilância Sanitária Municipal, por meio do serviço de fiscalização de alimentos, deflagrou na manhã desta quinta-feira (14), uma operação que resultou na interdição da indústria de alimentos Siloé.

De acordo com o subsecretário municipal de Proteção e Defesa do Consumidor, Valdir Custódio, a vistoria foi feita após denúncia de uma consumidora, que comprou um açúcar da marca, que continha muita sujidade, pedras, arroz e umidade. “Como o produto estava lacrado ela ligou reclamando da indústria. Fizemos um levantamento preliminar e foi verificado que a empresa funcionava em condições que aparentavam ser clandestinas”, conta Valdir Custódio.

Diante disso, o Procon Municipal acionou a Vigilância Sanitária, e juntos foram ao local para fazer a vistoria. Lá, observaram que o estabelecimento não tinha licença para envasamento de alimentos, que as condições sanitárias que desenvolvia as atividades eram totalmente precárias, ou seja, insalubres, o que faz com que o alimento se torne impróprio ao consumo humano.

Constatadas as irregularidades, a indústria foi interditada e toda a mercadoria foi apreendida. A Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo (Decon) também foi ao local e prendeu o empresário em flagrante por oferecer produto à venda impróprio ao consumo humano.

Para o secretário, a importância desta e de outras ações feitas pelo órgão é a participação da população, que vem denunciando e auxiliando os órgãos competentes na fiscalização. “A participação ativa da população é fundamental para que nosso trabalho se concretize. Nossas ações têm tido sucesso graças ao auxílio das pessoas que têm nos procurado e apontado os crimes contra o consumidor”, finaliza Valdir.

(Com informações da Agência Municipal de Notícias de Campo Grande)

Veja Também

Réu pega 18 anos, mas não vai pra cadeia
Projeto cria programa para reduzir amputações decorrentes de diabetes
‘Cassems Itinerante’ leva atendimento a quatro municípios no sábado
Estação Peg-Fácil da Rua 14 de Julho continua em funcionamento
Projeto autoriza MP a investigar abusos cometidos por policiais
TRF3 manda recadastrar e distribuir cestas a indígenas de MS
Balança inteligente traça perfil de saúde
Quase 90% das crianças está sem vacina
MP recomenda que Nova Alvorada implemente Projeto Família Acolhedora
Aplicativo avisa pais sobre falta dos alunos