Menu
25 de maio de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega banner ALMS - AUDIÊNCIA PÚBLICA
Indígenas

Índios guarani usam o rap para denunciar problemas sociais

Em uma das letras, o jovem denuncia uma das lutas mais importantes dos indígenas, a demarcação de terras

16 Abr2017Da Agência Brasil08h52

Com versos que misturam português e a língua guarani, o jovem Jefinho Karai Xondaro, de 17 anos – que mora em uma aldeia na região do Jaraguá, zona oeste da capital paulista – usa o rap para chamar a atenção para problemas enfrentados pelos povos indígenas. “É protesto, é grito de guerra”, diz Jefinho sobre o tema das músicas que canta com o grupo Oz Guarani.

Em uma das letras, o jovem denuncia uma das lutas mais importantes dos indígenas, a demarcação de terras. “Carrego na mente conflitos do passado. Povos e mais povos sendo massacrados. Tentando proteger suas terras. Perderam suas vidas e também os seus direitos. Cadê nosso respeito? ”

Apesar do reconhecimento pelo governo federal, que demarcou, há três anos, a área ocupada pelos guaranis no Jaraguá, o conflito ainda não acabou. Segundo Karai Ryapua, de 52 anos, um dos coordenadores da tribo, existe uma ação que tenta reverter a portaria que determinou a demarcação.

“É muito complicado quando não se tem o reconhecimento”, disse Ryapua. Os guaranis estão divididos em três aldeias na região, sendo que uma delas, com 1,7 hectare, fica numa área bastante urbanizada, que praticamente descaracteriza uma terra indígena. “Somos 700 guaranis em uma área de 1,7 hectare, que é uma terra muita pequena”, lamentou.

Problemas sociais - Os problemas na aldeia são assunto das músicas de Jefinho. Falta de saneamento básico, acesso à saúde e até mesmo o grande número de gatos e cachorros abandonados e doentes no local. “As pessoas passam de carro e deixam os animais, que acabam ficando na nossa aldeia. Nós, como indígenas, não conseguimos entender como as pessoas podem abandonar esses animais assim”, criticou.

Jefinho também canta sobre a perda de amigos guaranis, que morreram ainda na adolescência. “Tem que ser forte, senão, aqui já é morte. Salva a sua vida, sou guerreiro, aqui fica. O amigo meu não teve o mesmo dia. O mundo dá volta e nós 'tem' que vencer”, diz a letra de sua música.

Veja Também

Caminhoneiros aceitam acordo e greve será suspensa
AGU já conseguiu 17 liminares para desbloquear rodovias federais
Manifestantes bloqueiam Central da Petrobras
Caminhoneiros não chegam a acordo com governo
Cheia faz Município suspender aulas em escola do Paraguai Mirim
Ruas vazias e postos lotados na Capital
Com sorteio de prêmios, Festa do Sagrado Coração começa no sábado
Copa Assomasul adia jogo devido à greve dos caminhoneiros
Na Capital, combustível acabou em 20% dos postos
Audiência pública debate o reordenamento dos bairros de Dourados