Menu
19 de maio de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Poder Judiciário

Hospital receberá indenização de cliente que agrediu funcionário

Réu foi condenado por danos morais em decorrência de agressão física e palavras de baixo calão

6 Dez2018Da redação14h58

O juízo da 2ª Vara do Juizado Especial da Capital acolheu pedido contraposto por um hospital infantil e condenou um homem ao pagamento de R$ 20.000,00 por danos morais em decorrência de agressão física e palavras de baixo calão proferidas contra um atendente do hospital.

De acordo com o processo, ficou demonstrado pelo depoimento de testemunhas que ele gritava no estabelecimento, mesmo sendo seu filho atendido. Além disso, o homem proferiu injúrias e desferiu um tapa no rosto do atendente. Ele teria ainda reclamado do atendimento, tendo inclusive entrado no laboratório e falado mal do atendimento.

Consta nos autos que o homem chegou ao hospital por volta de 5 horas, com a esposa e o filho de dois anos, que estava com febre e vômitos. O sistema do hospital estava em manutenção e, após ser questionado sobre dados cadastrais do convênio, o homem se irritou com as perguntas feitas pelo atendente, passando a agredi-lo verbalmente com gritos. 

O funcionário pediu ao autor das ofensas que se controlasse ou chamaria a polícia. Contudo, em razão do barulho, uma das enfermeiras foi ver o que estava acontecendo e acolheu o menor para os primeiros cuidados, levando-o a médica de plantão. 

O autor e a esposa acompanharam o atendimento do filho. Mesmo depois do atendimento, o homem teria voltado à recepção para insultar o atendente e agrediu-o com um tapa no rosto. O fato foi presenciado por pessoas que estavam no local.

Inconformado com a sentença, ele Ajuizou pedido de indenização contra o hospital infantil, no valor de R$ 30.000,00, e teve o pedido negado. A juíza leiga Edi de Fátima Dalla Porta Franco entendeu que a situação estava configurada como abalos na honra objetiva da empresa, com danos em sua relação comercial, especialmente no que se refere à reputação de fama e bom nome perante a sociedade.

“Ressalto a presença de elementos que distinguem este caso daqueles comuns aos Juizados Especiais, haja vista o comportamento do autor com funcionário do hospital, proferindo palavras de baixo calão, desferindo tapa e persistindo com seu comportamento para denegrir a reputação do hospital no laboratório frente a outras mães que estavam com seus filhos no setor de observação. A situação extrapolou de modo grave e reprovável foi a conduta. Por tais razões, o hospital faz jus à pretendida indenização, a qual fixo em R$ 20.000,00”.

(Com informações da assessoria de imprensa do TJMS)

Veja Também

Agendamento online para castrar felinos começa nesta segunda
Famílias são notificadas para deixar área pública
Justiça tenta acordo sobre Rio da Prata
Meta para 2020 é construir 500 mil casas populares, diz Onyx
'Cidade do Natal' ganhará novo visual
Agepan busca solução para melhorar transporte em Ladário
Hospital de Ponta Porã realizou 60 cirurgias ortopédicas
Presidiários recebem curso de Primeiros Socorros da Agepen e Cruz Vermelha
Distribuição de remédios no País será normalizada, diz ministério
Prefeitura realiza projeto de valorização da cultura indígena