Menu
21 de julho de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Mega banner  Ministério  da Saúde - HEPATITE VACINAÇÃO E TESTE
Saúde

Hospital de Amor é o endereço da prevenção

Atendimento é prestado de graça em salas humanizadas e não há necessidade de encaminhamento médico

1 Jul2019Valdelice Bonifácio14h15
Sala de mamografia do Hospital de Amor é humanizada (Foto: Gabriel Torres)
  • Ruth Bonini, médica radiologista, e diretora técnica do Hospital de Amor Campo Grande
  • Sala de mamografia do Hospital de Amor é humanizada (Foto: Gabriel Torres)
  • Sala de biópsia tem equipamento único no Estado (Foto: Gabriel Torres)
  • Atendimento no Hospital de Amor não depende de encaminhamento médico (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)

O Hospital de Amor Campo Grande é um instituto de prevenção do câncer, ligado ao Hospital de Barretos (SP), à disposição das mulheres da Capital. Todo atendimento é prestado de graça pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em salas humanizadas. O hospital tem ainda uma unidade móvel que percorre a cidade com o mesmo intuito de levar a possibilidade de prevenção às pessoas.

No hospital, são realizadas consultas, mamografias, Papanicolau, colposcopias, biópsias de mama e pequenas cirurgias de mama e colo de útero. Juntos, o hospital e a carreta oferecem duas mil vagas por mês só em mamografias. Quem deseja atendimento, não precisa de encaminhamento médico. Basta agendar por telefone e comparecer para os procedimentos.

Vale mencionar que, para as mamografias, só são atendidas mulheres entre 40 e 69 anos. “No hospital, disponibilizamos por dia 50 vagas para mamografia e 100 papanicolau, tudo pelo SUS”, ressalta a diretora técnica do hospital, a médica radiologista Ruth Bonini.

Por ano, o hospital tem diagnosticado em média, 140 casos de câncer de mama – conforme o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a média para Campo Grande é de 370 casos por ano. “O interessante é que 70% destes casos descobertos nas mamografias, eles estão na fase inicial. A chance de cura é de 95% a 100%”, diz a médica.

Com a descoberta no início, a mulher não precisa se submeter a tratamentos invasivos e, por vezes, a quimioterapia não é necessária.

Os ambientes do hospital foram planejados para garantir conforto às pacientes. A unidade tem um mamógrafo digital com sala humanizada. Durante o exame, as telas nas paredes exibem imagens bonitas que distraem as pacientes.

A sala de biopsia tem um aparelho único no Estado. A paciente fica deitada e não vê os procedimentos. Outro diferencial é que antes da biópsia a mulher passa por atendimento psicológico. “Se o diagnóstico for de câncer, ela volta novamente ao psicólogo com toda a família”, detalha a médica.

Para facilitar o acesso das mulheres, o hospital implantou, inclusive, um terceiro turno de atendimento à noite. Em números, o hospital realiza, em média por mês, 1,8 mil mamografias, 3 mil Papanicolau, 500 ultrassons e 100 biópsias.  

Conexão Azul Rosa – O hospital foi palco do lançamento projeto social Conexão Azul Rosa. Graças à parceria entre a Azul e o Hospital de Amor, 60 mulheres diagnosticadas com câncer de mama viajam de avião para o tratamento da doença. Em Mato Grosso do Sul, uma paciente já se beneficia do projeto. Zaira Marilza Leite, 41, que está na luta contra o câncer de mama.

“A viagem de avião trouxe uma leveza para o tratamento. É muito pesado saber que se tem câncer e foi uma aventura que transformou o tratamento. A semana passou melhor. Me senti amada, abraçada”, diz a sul-mato-grossense.

O projeto social existe desde 2017 e já ajudou 90 mulheres na luta contra a doença. Desde o início do projeto social, a Azul já destinou cerca de R$ 400 mil em passagens aéreas para o tratamento de mulheres diagnosticadas com câncer de mama. Neste ano, 90 pacientes foram transportadas, incluindo uma de Campo Grande que realizou sessões de radioterapia em Barretos, São Paulo.

Contudo, os casos em que mulheres de Campo Grande ou mesmo do Estado precisarão viajar são exceções, segundo Ruth Bonini. “Aqui nós temos uma parceria com o Hospital Alfredo Abraão que está equipado para fazer todo o tratamento destas mulheres. Porém, se o médico achar necessário, o deslocamento para Barretos, então ela poderá se beneficiar do projeto”, explica a médica.

Serviço – O Hospital de Amor fica na Avenida Vereador Thyrson de Almeida, 3103, no Jardim Aero Rancho, em Campo Grande. O telefone é 3304-6600.

Veja Também