Menu
12 de dezembro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Campo Grande

Guardas são afastados das ruas após ação em terminal

Três servidores da Guarda Civil ainda tiveram o porte de armas suspensos até o fim das investigações

18 Nov2019Ana Lívia Tavares17h19
(Foto: Divulgação)
  • (Foto: Divulgação)

O Secretário Especial de Segurança e Defesa Social (Sesdes), Valério Azambuja, informou na manhã desta segunda-feira (18) que os três guardas do GPI (Grupo de Pronta Intervenção) que atuaram na manifestação no Terminal Morenão, no feriado do dia 15, sexta-feira, foram afastados preliminarmente pelo prazo de 60 dias, até a conclusão de um procedimento administrativo disciplinar para apurar se houve excesso por parte dos servidores.

Segundo a decisão, já publicada no Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande), “diante da gravidade dos fatos”, os guardas irão permanecer em trabalho administrativo durante este período e ainda tiveram a suspensão do porte de arma de fogo funcional.  

O secretário admitiu que “houve algumas falhas de procedimento” e que os equipamentos de segurança, como spray de pimenta e arma de cano longo com balas de borracha, não deveriam ter sido usados. “Em determinado ambiente não é apropriado, principalmente naquele local, onde tinham muitas mulheres e até crianças, o uso foi indevido”, explicou Azambuja.  

Valério Azambuja disse que a manifestação ocorrida no Terminal Morenão não é de atribuição do GPI. “Estamos apurando de onde partiu o acionamento do GPI que não é para esta finalidade específica e porque não se reportaram ao superior deles antes da ação propriamente”, afirmou o secretário.

Após a confusão, partir desta semana, de acordo com a Sesdes, todos os guardas que integram o GPI vão passar por um novo treinamento.

Atendimento - Para atender as mulheres agredidas durante o protesto, a Defensoria Pública em conjunto com a Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) está oferecendo apoio em caso de denúncias.

“A instituição repudia toda forma de violência e comunica que receberá as agredidas e agredidos na unidade de atendimento Belmar Fidalgo para ouvir as passageiras e passageiros sobre o ocorrido e tomar as providências judiciais cabíveis”, disse a Defensoria em nota.

A delegada da Deam, Fernanda Félix Mendes, informou que as vítimas que procurem a Defensoria,  vão ser encaminhadas e um boletim de ocorrência coletivo será registrado.

 

 

Veja Também

Deve chover em grande parte de MS
Embalagem de margarina terá de apresentar percentual de gordura
Pacientes com doença genética rara terão tratamento específico no SUS
Procon realizará plantão fiscal em terminal rodoviário na capital
INSS cria programa para identificar benefícios irregulares
Escolas terão que ministrar treinamentos para lidar com emergências
Hospital Regional de Ponta Porã reinaugura brinquedoteca
Ambulância com quatro pessoas capota na BR-262
Programa Fortalece Turismo encerra suas atividades amanhã dia 12
Agepen aguarda transferência de Name para Centro de Triagem