Campo Grande •27 de Março de 2017  • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da redação | Terça, 11 de Outubro de 2016 - 15h27Governo militar preferiu criar MS com medo de MT crescer demais“Foi uma visão militarista”, disse Garcia Neto sobre decisão criar MS

A divisão efetivamente aconteceu em janeiro de 1979.
A divisão efetivamente aconteceu em janeiro de 1979. (Foto: Divulgação/Governo de MS)

Em sua última entrevista, concedida ao jornalista Marcy Monteiro, revelou-se que Mato Grosso do Sul foi criado quase um século depois de iniciado o movimento separatista. Quando já era considerado uma causa perdida, o movimento ganhou força com o recrudescimento do regionalismo sul-mato-grossense. Mas o que favoreceu o desfecho do processo de criação do novo Estado, na opinião do ex-governador Garcia Neto, foi a visão militarista do general Ernesto Geisel sobre a geopolítica brasileira. Pesou na decisão, segundo o ex-governador de Mato Grosso, o medo do presidente Geisel de MT buscar sua independência.

Para a historiadora Maria a Bittar, a conjugação de interesses regionais entrelaçou as condições que possibilitaram a vitória de uma causa considerada perdida. Os interesses da oligarquia agrária sulista, a rivalidade política entre Cuiabá e Campo Grande e a elite da pecuária foram os componentes principais do movimento separatista.

José Garcia Neto, um dos principais personagens desse período da história, morreu em 2009 sem esconder o inconformismo com a divisão de Mato Grosso, ato que classificava como “uma barbaridade”. Em 2007, em uma de suas últimas entrevistas, disse que sempre foi contrário, mas não conseguiu convencer Geisel. Garcia Neto chegou a ser o vice-líder do governo na Câmara dos Deputados, antes de ser nomeado por Geisel depois de ter o nome incluído em lista tríplice elaborada por José Fragelli.

No governo, Garcia Neto chegou a “lotear” o poder com os sulistas, escolhendo o corumbaense Cássio Leite para ser o vice na tentativa de frear o processo divisionista. O esforço foi em vão. O ex-governador reconheceu que o processo de disputa política e econômica ajudou, mas o que pesou foi a visão militarista.

Geisel insistia que Mato Grosso era muito grande e difícil de controlar, disse Garcia Neto, lembrando que logo depois da posse, em 1975, se reuniu com o presidente Geisel para externar a preocupação sobre a possível divisão. “Disse ao presidente sobre o que os jornais e a população comentavam referente à divisão. Disse também que eu era contra e que queria saber a opinião dele. O presidente disse que não havia pensado ainda no assunto, mas, quando fosse pensar, que eu seria o primeiro a saber. Desta forma, não toquei mais no assunto”, contou Garcia em sua última entrevista.

Em abril de 1977 o general chamou Garcia Neto para tratar da divisão. “Ele disse que queria começar a pensar na divisão de Mato Grosso. Pedi para dar minhas razões contrárias e as encaminhei em forma de um documento”.

Garcia Neto apontou as razões, como o custo administrativo, fracionamento da receita, implicações políticas e reação popular, mas não convenceu Geisel.

De 15 a 20 dias após receber o documento, Geisel chamou Garcia Neto e disse que optara pela divisão de Mato Grosso. “Ele disse que leu bem as minhas razões, mas que Mato Grosso com tantas potencialidades, e quando se igualasse a São Paulo, poderia abalar o conjunto da federação brasileira. Era uma visão muito militarista”, disse. O medo de Geisel era de que Mato Grosso crescesse e decidisse brigar pela independência, segundo Garcia Neto. A decisão de dividir o Estado foi tomada em abril de 1977, seis meses antes da assinatura da lei. A divisão efetivamente aconteceu em janeiro de 1979.

Veja Também
Prefeito atendimento da UPA Vila Almeirada neste domingo
Domingo, 26 de Março de 2017 - 16h20Trump culpa radicais republicanos por fracasso de reforma da saúde Proposta dos republicanos também retirava recursos da Planned Parenthood
Domingo, 26 de Março de 2017 - 15h43Indígenas venezuelanos em Manaus voltarão a seu país de origem em abril Ônibus vão levar os indígenas venezuelanos até o município roraimaense de Pacaraima
Rede Solidária já atende 420 crianças e qualifica 185 pessoas no Jardim Noroeste em 30 dias
Domingo, 26 de Março de 2017 - 14h59Rede de Saberes promove I Seminário de Mulheres Indígenas em MS Evento é aberto para mulheres indígenas e não indígenas
Domingo, 26 de Março de 2017 - 14h30Mostra apresenta bordados de artesãs de Minas Gerais Seedif dará início a uma caravana para atender artesãos de regiões mineiras
Domingo, 26 de Março de 2017 - 14h06Prazo para declaração de equídeos termina no dia 31 de março atualização do cadastro de animais é importante também para o desenvolvimento de estratégias sanitárias
Domingo, 26 de Março de 2017 - 13h47Curso gratuito de documentário vai produzir obras para comemorar os 40 anos de MS Teoria será apresentada a potencialidade dos chamados “materiais de arquivo”
Uems e UFGD abrem exposição fotográfica
Domingo, 26 de Março de 2017 - 11h38Ministra britânica pede acesso ao Whatsapp para combater terrorismo Ministra considerou como "inaceitável" serviço de mensagem que ofereça um sistema criptografado
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
DothNews
Rec banner - cirurgia.net
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento