Menu
16 de junho de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Mega Banner Segov - Campanha Entregas
Política

Governo acaba com obrigatoriedade de simulador para tirar CNH

Com a mudança, o condutor terá que obrigatoriamente fazer 20 horas de aulas práticas

14 Jun2019Da redação08h00

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, disse hoje (13) que o governo decidiu retirar a obrigatoriedade do uso de simuladores para a expedição da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A medida foi aprovada nesta quinta-feira (13) durante a primeira reunião do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Além de acabar com a obrigatoriedade do uso de simulador, o Contran também diminuiu de 25 para 20 horas o número de aulas práticas para os aspirantes a habilitação da categoria B.

“A gente já vinha falando ao longo do tempo e hoje estamos tirando a obrigatoriedade dos simuladores, que passam a ser facultativos. Será uma opção do condutor fazer a aula ou não. Se ele julgar necessário que aquilo é importante para a formação dele, de que não está seguro de sair para aula prática, ele poderá fazer. Se não quiser, ele não terá que fazer a aula de simulador”, disse o ministro.

O prazo para a implementação da nova regra é de 90 dias. Com a mudança, o condutor terá que obrigatoriamente fazer 20 horas de aulas práticas. Se optar pelo uso do simulador, serão 15 horas de aulas práticas e 5 horas no equipamento.

“O simulador não tem eficácia comprovada, ninguém conseguiu demonstrar que isso tem importância para formação do condutor. Nos países ao redor do mundo, ele não é obrigatório, em países com excelentes níveis de segurança no trânsito também não há essa obrigatoriedade. Então, não há prejuízo para a formação do condutor”, disse Tarcísio.

De acordo com o ministro, a medida visa reduzir a burocracia na retirada da habilitação. O ministro disse estimar uma redução de até 15% no valor cobrado nos centros de formação de condutores.

“Isso é importante para muito centro de formação de condutores que não possuíam o equipamento. Agora eles não vão precisar adquirir o equipamento ou fazer comodato e isso certamente terá um custo na carteira. As aulas de simulador têm um custo diferente, mas dá para estimar que a gente vá ter uma redução de até 15%. A ideia é deixar que o mercado defina isso”, disse.

 

Veja Também

Governo autoriza obras de recuperação da Avenida Presidente Vargas
TRE-MS faz cadastramento biométrico em Aral Moreira
Obras da Ernesto Geisel vão acabar com alagamentos
Governo estuda cobrança de bagagem só para aéreas de baixo custo
Servidores recebem qualificação em curso para Central de Alvarás
Sabores do Pantanal serão destaque na Comitiva dos Chefs
Regional de Ponta Porã dobra atendimentos e número de cirurgias
Quatro salas de vacina funcionam neste fim de semana
UBS estrela do Sul é a primeira a receber 'SESAU itinerante'
Confira a escala médicas nas UPAs e CRSs neste sábado